Visita de Miguel Albuquerque à Venezuela adiada para outubro

A visita de Miguel Albuquerque ao novo Santuário de Fátima, em Los Teques (Venezuela) estava prevista para 13 de maio. Foi adiada para 13 de outubro, data em que se evoca a última aparição. A visita oficial continua a depender da evolução da pandemia. Sendo possível, abrangerá também as comunidades vizinhas no Curaçau, Aruba e Panamá. Tal como noticiado no início de fevereiro, a visita oficial do presidente do Governo Regional da Madeira à Venezuela tem o novo Santuário de Nossa Senhora de Fátima, em Los Teques, como ponto alto da deslocação. Era assim em maio e será assim também em outubro, razão por que foi adiada para coincidir com as celebrações da última aparição de Nossa Senhora de Fátima, a 13 de outubro. “Se houver condições, a visita será concretizada em outubro”, refere ao JM o diretor regional das Comunidades e da Cooperação Externa. “Esperamos que nessa altura já possamos circular em segurança. Até lá todos devemos continuar vigilantes e a seguir as orientações das autoridades, os madeirenses de cá ou que estejam nas Comunidades, porque a prioridade é cuidar da saúde.” O diretor regional Rui Abreu será um dos integrantes da comitiva oficial. Em fevereiro, o presidente Albuquerque assumia ao JM que a Venezuela é um país que lhe diz muito. “Mais uma vez o Governo Regional estará presente, nos bons e nos maus momentos”, disse o governante, referindo-se à importância de voltar a um país de acentuada emigração madeirense e que continua envolto numa indefinição político-económica. Tal como previsto no programa de maio, a visita de outubro integra contactos e deslocações a outras cidades da Venezuela, para além de Caracas. O cônsul-geral de Portugal em Caracas, Licínio do Amaral, e o empresário madeirense Nélson Nunes, optaram por passar este período de pandemia junto à Comunidade na Venezuela. Ambos têm tido um papel muito ativo na preparação da visita oficial do Governo Regional da Madeira, que passa de maio para outubro.

A visita de Miguel Albuquerque ao novo Santuário de Fátima, em Los Teques (Venezuela) estava prevista para 13 de maio. Foi adiada para 13 de outubro, data em que se evoca a última aparição. A visita oficial continua a depender da evolução da pandemia. Sendo possível, abrangerá também as comunidades vizinhas no Curaçau, Aruba e Panamá. Tal como noticiado no início de fevereiro, a visita oficial do presidente do Governo Regional da Madeira à Venezuela tem o novo Santuário de Nossa Senhora de Fátima, em Los Teques, como ponto alto da deslocação. Era assim em maio e será assim também em outubro, razão por que foi adiada para coincidir com as celebrações da última aparição de Nossa Senhora de Fátima, a 13 de outubro. “Se houver condições, a visita será concretizada em outubro”, refere ao JM o diretor regional das Comunidades e da Cooperação Externa. “Esperamos que nessa altura já possamos circular em segurança. Até lá todos devemos continuar vigilantes e a seguir as orientações das autoridades, os madeirenses de cá ou que estejam nas Comunidades, porque a prioridade é cuidar da saúde.” O diretor regional Rui Abreu será um dos integrantes da comitiva oficial. Em fevereiro, o presidente Albuquerque assumia ao JM que a Venezuela é um país que lhe diz muito. “Mais uma vez o Governo Regional estará presente, nos bons e nos maus momentos”, disse o governante, referindo-se à importância de voltar a um país de acentuada emigração madeirense e que continua envolto numa indefinição político-económica. Tal como previsto no programa de maio, a visita de outubro integra contactos e deslocações a outras cidades da Venezuela, para além de Caracas. O cônsul-geral de Portugal em Caracas, Licínio do Amaral, e o empresário madeirense Nélson Nunes, optaram por passar este período de pandemia junto à Comunidade na Venezuela. Ambos têm tido um papel muito ativo na preparação da visita oficial do Governo Regional da Madeira, que passa de maio para outubro.