Vírus: DGS diz que "todo o cuidado é pouco" e manda atualizar planos de contigência

A diretora-geral da Saúde afirmou hoje que "todo o cuidado é pouco" em relação ao surto do novo coronavírus na China, pelo que foi dada indicação às unidades de saúde para atualizarem os seus planos de contingência. "Todo o cuidado é pouco,...

Vírus: DGS diz que "todo o cuidado é pouco" e manda atualizar planos de contigência
A diretora-geral da Saúde afirmou hoje que "todo o cuidado é pouco" em relação ao surto do novo coronavírus na China, pelo que foi dada indicação às unidades de saúde para atualizarem os seus planos de contingência. "Todo o cuidado é pouco, temos de treinar, capacitar", disse Graça Freitas, em conferência de imprensa, em Lisboa, onde foi feito um novo balanço sobre a infeção pelo novo coronavírus (2019-nCov). Graça Freitas referiu que Portugal está a preparar-se para uma "eventual escalada de infeções", pelo que foi dada indicação às unidades de saúde (hospitais e centros de saúde) para que os planos de contingência sejam "atualizados, reformulados, reavivados" de forma a haver profissionais formados e treinados e equipamento de proteção disponível. A Direção-Geral da Saúde e o Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge tiveram hoje reuniões de trabalho com as administrações regionais de saúde, hospitais, Instituto Nacional de Emergência Médica, laboratórios e entidades aeroportuárias para "atualizar procedimentos" face ao surto do '2019-nCov'. A China elevou hoje para 490 mortos e mais de 24.300 infetados o balanço do surto de pneumonia provocado por um novo coronavírus detetado em dezembro passado, em Wuhan, capital da província de Hubei (centro), colocada sob quarentena. A primeira pessoa a morrer por causa do novo coronavírus fora da China foi um cidadão chinês nas Filipinas. Além do território continental da China e das regiões chinesas de Macau e Hong Kong, há outros casos de infeção confirmados em mais de 20 países. A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou na quinta-feira uma situação de emergência de saúde pública de âmbito internacional, o que pressupõe a adoção de medidas de prevenção e coordenação à escala mundial. As análises preliminares efetuadas às 20 pessoas repatriadas por Portugal, que chegaram a Lisboa no domingo, tiveram resultados negativos. Os 18 portugueses e duas brasileiras vão permanecer em isolamento profilático durante 14 dias em instalações dedicadas para o efeito no Hospital Pulido Valente (Centro Hospitalar de Lisboa Norte) e no Parque da Saúde de Lisboa. As análises aos quatro casos considerados suspeitos em Portugal tiveram também resultados negativos. A ministra da Saúde portuguesa, Marta Temido, assegurou que os hospitais de Portugal estão preparados para lidar com uma eventual epidemia e que a situação está a ser tratada de forma “tranquila, mas rigorosa”.