Vencedores Globos de Ouro são conhecidos hoje em cerimónia virtual

Os Globos de Ouro, prémios de cinema e televisão da Associação da Imprensa Estrangeira em Hollywood, são hoje anunciados, num contexto atípico de pandemia e ensombrado por críticas sobre funcionamento e conduta ética da organização. A 78.ª edição dos Globos de Ouro será marcadamente virtual, por causa da covid-19, contará com apresentação de Tina Fey e Amy Poehler e a participação de alguns dos laureados do ano passado. O filme "Mank", de David Fincher, e a série "The Crown", ambos produzidos pela plataforma Netflix, lideram as nomeações nas áreas do cinema e televisão. "Mank" está indicado em seis categorias, incluindo as de Melhor Drama, Realização, Argumento (para Jack Fincher, pai do realizador), e Ator em Drama, para Gary Oldman. O filme "Os 7 de Chicago", de Aaron Sorkin, também exibido por aquela plataforma, reúne cinco nomeações para os Globos de Ouro, em Melhor Drama, Realização, Argumento e representação masculina, com Sasha Baron Cohen. Para o prémio de Melhor Realização há uma prevalência de mulheres, estando indicadas Emerald Fennell ("Promising young woman"), Regina King ("One night in Miami...") e Chloé Zhao ("Nomadland - Sobreviver na América"), às quais se juntam David Fincher ("Mank") e Aaron Sorkin ("Os 7 de Chicago"). Para o Globo de Ouro de Melhor Filme Estrangeiro foram nomeados “Another round”, de Thomas Vinterberg, “Uma vida à sua frente”, de Edoardo Ponti, “La llorona”, de Michael Chaves, “Deux”, de Filippo Meneghetti, e “Minari”, de Lee Isaac Chung. Na produção de séries e programas de televisão, a mais nomeada é "The Crown" (Netflix), para seis Globos de Ouro, entre os quais Melhor Série de Drama. As atrizes Olivia Colman, Emma Corrin, Gillian Anderson, Helena Bonham Carter e o ator Josh O'Connor, do elenco desta série, estão nomeados. A cerimónia acontece dias depois de uma investigação do jornal Los Angeles Times ter questionado a relevância e a credibilidade da Associação de Imprensa Estrangeira em Hollywood (HFPA, na sigla inglesa) na indústria cinematográfica nos Estados Unidos. O jornal traçou uma imagem de atuação duvidosa, protecionista dos seus membros e desligada da realidade, revelando que há membros da associação a receber remunerações avultadas, cuja proveniência não é transparente, e nem todos são efetivamente jornalistas. Este ano, a associação foi amplamente criticada por ter excluído das nomeações dos Globos de Ouro várias produções que são potenciais candidatos aos Óscares, como "Da 5 Bloods - Irmãos de armas", de Spike Lee, "Judas and the Black Messiah", de Shaka King, e "Ma Rainey: A mãe do blues", de George C. Wolfe. A cerimónia vai decorrer entre as 17:00 e as 20:00 locais em Los Angeles (01:00 e 04:00 de segunda-feira em Lisboa).

Vencedores Globos de Ouro são conhecidos hoje em cerimónia virtual
Os Globos de Ouro, prémios de cinema e televisão da Associação da Imprensa Estrangeira em Hollywood, são hoje anunciados, num contexto atípico de pandemia e ensombrado por críticas sobre funcionamento e conduta ética da organização. A 78.ª edição dos Globos de Ouro será marcadamente virtual, por causa da covid-19, contará com apresentação de Tina Fey e Amy Poehler e a participação de alguns dos laureados do ano passado. O filme "Mank", de David Fincher, e a série "The Crown", ambos produzidos pela plataforma Netflix, lideram as nomeações nas áreas do cinema e televisão. "Mank" está indicado em seis categorias, incluindo as de Melhor Drama, Realização, Argumento (para Jack Fincher, pai do realizador), e Ator em Drama, para Gary Oldman. O filme "Os 7 de Chicago", de Aaron Sorkin, também exibido por aquela plataforma, reúne cinco nomeações para os Globos de Ouro, em Melhor Drama, Realização, Argumento e representação masculina, com Sasha Baron Cohen. Para o prémio de Melhor Realização há uma prevalência de mulheres, estando indicadas Emerald Fennell ("Promising young woman"), Regina King ("One night in Miami...") e Chloé Zhao ("Nomadland - Sobreviver na América"), às quais se juntam David Fincher ("Mank") e Aaron Sorkin ("Os 7 de Chicago"). Para o Globo de Ouro de Melhor Filme Estrangeiro foram nomeados “Another round”, de Thomas Vinterberg, “Uma vida à sua frente”, de Edoardo Ponti, “La llorona”, de Michael Chaves, “Deux”, de Filippo Meneghetti, e “Minari”, de Lee Isaac Chung. Na produção de séries e programas de televisão, a mais nomeada é "The Crown" (Netflix), para seis Globos de Ouro, entre os quais Melhor Série de Drama. As atrizes Olivia Colman, Emma Corrin, Gillian Anderson, Helena Bonham Carter e o ator Josh O'Connor, do elenco desta série, estão nomeados. A cerimónia acontece dias depois de uma investigação do jornal Los Angeles Times ter questionado a relevância e a credibilidade da Associação de Imprensa Estrangeira em Hollywood (HFPA, na sigla inglesa) na indústria cinematográfica nos Estados Unidos. O jornal traçou uma imagem de atuação duvidosa, protecionista dos seus membros e desligada da realidade, revelando que há membros da associação a receber remunerações avultadas, cuja proveniência não é transparente, e nem todos são efetivamente jornalistas. Este ano, a associação foi amplamente criticada por ter excluído das nomeações dos Globos de Ouro várias produções que são potenciais candidatos aos Óscares, como "Da 5 Bloods - Irmãos de armas", de Spike Lee, "Judas and the Black Messiah", de Shaka King, e "Ma Rainey: A mãe do blues", de George C. Wolfe. A cerimónia vai decorrer entre as 17:00 e as 20:00 locais em Los Angeles (01:00 e 04:00 de segunda-feira em Lisboa).