Terceira noite de protestos em Wisconsin contra a violência policial

A cidade americana de Kenosha, no estado de Wisconsin, viveu até hoje de madrugada o terceiro dia consecutivo de protestos contra a morte de um afro-americano pela polícia. A vítima, Jacob Blake, permanece internada no Hospital Froedtert, em Milwaukee, em estado grave após ser baleada várias vezes nas costas pela polícia, ocorrência que foi gravada em vídeo e que causou comoção em todo o país. Os novos distúrbios começaram quase duas horas após o início do recolher obrigatório em Kenosha, às 20:00 de terça-feira, hora local (02:00 de hoje de em Lisboa). De acordo com reportagens da televisão local, membros da polícia tentaram com um megafone dispersar um grupo de manifestantes que se reuniu em frente ao Palácio da Justiça de Kenosha. A polícia acabou por disparar gás lacrimogéneo contra os manifestantes, enquanto dezenas de agentes da polícia de choque foram vistos a sair da porta principal do tribunal para conter o protesto. Um grupo de cinquenta agentes permanece em torno do edifício oficial, que já foi atacado na noite anterior, segundo a CNN. Por sua vez, a rede Fox assegura que foram ouvidos tiros na área, já confirmados pela polícia, embora não tenham dado maiores detalhes sobre as suas consequências ou se houve vítimas. O incidente em que Blake foi ferido ocorreu dias depois de protestos massivos sobre a morte de George Floyd, que foi sufocado por um polícia branco em Minneapolis (Minnesota) em 25 de maio. Um agente disparou nas costas de Blake, de 29 anos, quando este abria a porta de um veículo, onde estavam os seus três filhos menores, na cidade de Kenosha (Wisconsin), o que foi gravado por câmaras de telemóvel de testemunhas. O tiroteio ocorreu às 17:00 no horário local (22:00 GMT) no domingo, depois de a polícia ter recebido um telefonema sobre um incidente doméstico.

Terceira noite de protestos em Wisconsin contra a violência policial
A cidade americana de Kenosha, no estado de Wisconsin, viveu até hoje de madrugada o terceiro dia consecutivo de protestos contra a morte de um afro-americano pela polícia. A vítima, Jacob Blake, permanece internada no Hospital Froedtert, em Milwaukee, em estado grave após ser baleada várias vezes nas costas pela polícia, ocorrência que foi gravada em vídeo e que causou comoção em todo o país. Os novos distúrbios começaram quase duas horas após o início do recolher obrigatório em Kenosha, às 20:00 de terça-feira, hora local (02:00 de hoje de em Lisboa). De acordo com reportagens da televisão local, membros da polícia tentaram com um megafone dispersar um grupo de manifestantes que se reuniu em frente ao Palácio da Justiça de Kenosha. A polícia acabou por disparar gás lacrimogéneo contra os manifestantes, enquanto dezenas de agentes da polícia de choque foram vistos a sair da porta principal do tribunal para conter o protesto. Um grupo de cinquenta agentes permanece em torno do edifício oficial, que já foi atacado na noite anterior, segundo a CNN. Por sua vez, a rede Fox assegura que foram ouvidos tiros na área, já confirmados pela polícia, embora não tenham dado maiores detalhes sobre as suas consequências ou se houve vítimas. O incidente em que Blake foi ferido ocorreu dias depois de protestos massivos sobre a morte de George Floyd, que foi sufocado por um polícia branco em Minneapolis (Minnesota) em 25 de maio. Um agente disparou nas costas de Blake, de 29 anos, quando este abria a porta de um veículo, onde estavam os seus três filhos menores, na cidade de Kenosha (Wisconsin), o que foi gravado por câmaras de telemóvel de testemunhas. O tiroteio ocorreu às 17:00 no horário local (22:00 GMT) no domingo, depois de a polícia ter recebido um telefonema sobre um incidente doméstico.