TAP admite aterragem com uso de máscaras nos novos aviões A330neo

A TAP admitiu ontem ao Correio da Manhã que foram usadas máscaras de emergência pelos pilotos da companhia aérea durante a aterragem de um dos novos aviões A330neo, devido à amplamente difundida suspeita de odores. "As máscaras foram corretamente...

TAP admite aterragem com uso de máscaras nos novos aviões A330neo
A TAP admitiu ontem ao Correio da Manhã que foram usadas máscaras de emergência pelos pilotos da companhia aérea durante a aterragem de um dos novos aviões A330neo, devido à amplamente difundida suspeita de odores. "As máscaras foram corretamente usadas, a título meramente preventivo e em conformidade com os procedimentos operacionais estabelecidos face à incerteza da origem do odor", refere a companhia área portuguesa em comunicado. A selfie tirada pelos pilotos, e a que a referida fonte teve acesso, não deixa margem para dúvidas. Terá sido durante uma aterragem no dia 19 de julho que os pilotos tiraram a fotografia para denunciar a presença de maus cheiros. A TAP garante, no entanto, que "não há qualquer registo de gases tóxicos a bordo dos Airbus A330neo". "Os testes levados a cabo à análise do ar na cabina do avião indicam que a qualidade do ar nos A330neo está claramente dentro dos parâmetros e dos padrões de certificação das aeronaves", acrescenta. As garantias dadas pela empresa de aviação contrastam, porém, com as reclamações de assistentes de bordo e até de alguns pilotos. Depois do Sindicato dos Tripulantes de Cabina já se ter queixado várias vezes dos maus odores e enjoos que os A330neo têm provocado, também um piloto contactado pelo CM confirmou a existência de "problemas com os aviões". "É uma irresponsabilidade o presidente da TAP (Antonoaldo Neves) dizer que não se passa nada. Até a Airbus está preocupada", sublinha. A aterragem com máscaras "tem acontecido mais vezes", revelou outro comandante. "É um procedimento normal sempre que há suspeita de odores ou fumos", explicou. Entretanto, a Autoridade Nacional de Aviação Civil disse apenas que está a acompanhar a situação, mas não vê motivos para suspender os voos. Importa referir que o manual de operações de voo da TAP impede que tripulantes e pilotos usem o telemóvel e tirem fotos, mas o gestor Abílio Martins infringe a regra, de acordo com o Correio da Manhã, que avança que o aludido administrador pede aos assistentes de bordo para tirarem fotos durante o voo como forma de promover a companhia aérea.