Sara Madruga da Costa critica “falta de agenda” do Ministro do Ensino Superior para explicar discriminação à UMa

“É inadmissível que o Ministro do Ensino Superior alegue falta de agenda para prestar esclarecimentos à Assembleia da República – a propósito da discriminação que o seu Governo sustentou relativamente à Universidade da Madeira – e tenha, em...

Sara Madruga da Costa critica “falta de agenda” do Ministro do Ensino Superior para explicar discriminação à UMa
“É inadmissível que o Ministro do Ensino Superior alegue falta de agenda para prestar esclarecimentos à Assembleia da República – a propósito da discriminação que o seu Governo sustentou relativamente à Universidade da Madeira – e tenha, em simultâneo, disponibilidade para reunir individualmente e fora do Parlamento, com deputados socialistas, para abordar um assunto que não é nem pode ser tratado de forma político-partidária”. A afirmação parte da deputada social-democrata Sara Madruga da Costa, que, inclusive, adianta que os deputados do PSD/M eleitos à Assembleia da República irão dar entrada de um protesto, endereçado a Manuel Heitor, a dar conta do desagrado que esta postura motivou, “inaceitável quando está em causa um assunto relativamente ao qual exigem-se respostas, no local próprio e a todos os partidos”. “O Ministro do Ensino Superior não tem disponibilidade para, no próximo dia 10 de março, chegar quarenta minutos antes da audição regimental agendada para as 15.30 horas e prestar os devidos esclarecimentos, urgentes e necessários, a todos os deputados da Comissão de Educação, Ciência, Juventude e Desporto da Assembleia da República mas, pelos vistos, tem tempo para reunir fora do parlamento com os deputados do seu Partido”, ironizou Sara Madruga da Costa. Deputada madeirense que lembra o facto desta Comissão já ter aprovado, por unanimidade e no passado dia 19 de fevereiro, um requerimento apresentado pelo PSD para ouvir, com caráter de urgência, o referido Ministro e o Reitor da Universidade da Madeira, a propósito do reforço do financiamento da Universidade dos Açores e do tratamento desigual com a Universidade da Madeira. Acresce referir que, no protesto apresentado, Sara Madruga da Costa insiste que “a diferença de tratamento entre a Universidade dos Açores e a Universidade da Madeira é injustificável e inqualificável, assim como o voto contra dos deputados socialistas em relação à majoração do financiamento das universidades insulares, no último Orçamento do Estado” e revela que o PSD não desistirá de exigir ao Governo da República o reforço do financiamento da Universidade da Madeira, num montante, no mínimo, idêntico ao efetuado à dos Açores, “uma vez que a nossa Universidade ainda se encontra mais subfinanciada do que a sua congénere insular”. “Os Deputados do PSD eleitos pela Madeira continuarão a denunciar todas as situações discriminatórias do Governo da República em relação à Madeira e a lutar para que as mesmas sejam não só esclarecidas como ultrapassadas, a nosso favor”, garante.