Rui Barreto omitiu empréstimo ao Tribunal Constitucional

Segundo avança o Expresso, Rui Barreto, líder do CDS Madeira, não declarou o empréstimo feito por César do Paço ao Tribunal Constitucional. Conforme recorda esta publicação, “as alterações feitas à chamada lei da transparência obrigam, entre as outras coisas, ao registo de todos os empréstimos (passivo) concedidos por “quaisquer pessoas singulares ou coletivas”, pelo Estado ou por bancos, e Rui Barreto não o fez na declaração de rendimentos relativa ao ano de 2019 consultada pelo Expresso junto do Tribunal Constitucional — um crime que prevê, no limite, perda de mandato, demissão ou destituição judicial”. Esta lei está em vigência desde 2019, tendo o atual secretario regional da Economia chegado ao executivo madeirense quando esta já ser encontrava em vigor. Recorde-se que a reportagem "A grande ilusão" da SIC revelou há umas semanas que o número três do governo madeirense recebera na sua conta bancária (e na de mais quatro membros do partido) um total de 29.880 euros provenientes do financiador do Chega, a poucos dias da campanha eleitoral para as legislativas regionais de 2019, que levaram o CDS ao governo pela primeira vez. Aquando da vinda a público do referido empréstimo, Rui Barreto garantiu que possui toda a documentação que comprova a legalidade dos atos praticados e que está totalmente disponível para, caso seja necessário, prestar todos os esclarecimentos junto das autoridades judiciais, de forma a eliminar qualquer tipo de suspeição de qualquer prática ilícita ou não autorizada. No entanto, à Comissão Política que lidera esclareceu que não há qualquer ação ou investigação judicial, mas apenas "uma reportagem televisiva dúbia, com ligações forçadas a outras frentes partidárias e movimento extremistas, que nada acusa e apenas insinua”. Já Miguel Albuquerque, presidente do Governo Regional, disse que não foi apanhado de surpresa, dado que o líder do partido parceiro de coligação o informou do sucedido antes da reportagem da SIC ser publicada, afirmando continuar a acreditar e confiar no secretário regional.   De igual modo, Francisco Rodrigues dos Santos, presidente do CDS-PP, garantiu manter a confiança em Rui Barreto.

Rui Barreto omitiu empréstimo ao Tribunal Constitucional
Segundo avança o Expresso, Rui Barreto, líder do CDS Madeira, não declarou o empréstimo feito por César do Paço ao Tribunal Constitucional. Conforme recorda esta publicação, “as alterações feitas à chamada lei da transparência obrigam, entre as outras coisas, ao registo de todos os empréstimos (passivo) concedidos por “quaisquer pessoas singulares ou coletivas”, pelo Estado ou por bancos, e Rui Barreto não o fez na declaração de rendimentos relativa ao ano de 2019 consultada pelo Expresso junto do Tribunal Constitucional — um crime que prevê, no limite, perda de mandato, demissão ou destituição judicial”. Esta lei está em vigência desde 2019, tendo o atual secretario regional da Economia chegado ao executivo madeirense quando esta já ser encontrava em vigor. Recorde-se que a reportagem "A grande ilusão" da SIC revelou há umas semanas que o número três do governo madeirense recebera na sua conta bancária (e na de mais quatro membros do partido) um total de 29.880 euros provenientes do financiador do Chega, a poucos dias da campanha eleitoral para as legislativas regionais de 2019, que levaram o CDS ao governo pela primeira vez. Aquando da vinda a público do referido empréstimo, Rui Barreto garantiu que possui toda a documentação que comprova a legalidade dos atos praticados e que está totalmente disponível para, caso seja necessário, prestar todos os esclarecimentos junto das autoridades judiciais, de forma a eliminar qualquer tipo de suspeição de qualquer prática ilícita ou não autorizada. No entanto, à Comissão Política que lidera esclareceu que não há qualquer ação ou investigação judicial, mas apenas "uma reportagem televisiva dúbia, com ligações forçadas a outras frentes partidárias e movimento extremistas, que nada acusa e apenas insinua”. Já Miguel Albuquerque, presidente do Governo Regional, disse que não foi apanhado de surpresa, dado que o líder do partido parceiro de coligação o informou do sucedido antes da reportagem da SIC ser publicada, afirmando continuar a acreditar e confiar no secretário regional.   De igual modo, Francisco Rodrigues dos Santos, presidente do CDS-PP, garantiu manter a confiança em Rui Barreto.