PSD defende auditoria ao processo de nomeação e demissão na Sociohabitafunchal

Os representantes do PSD eleitos à Câmara Municipal do Funchal irão avançar com uma proposta para a realização de uma auditória externa ao processo de nomeação e demissão da administração da Empresa Municipal Sociohabitafunchal, de forma “a que fiquem cabalmente esclarecidos os contornos que levaram à saída do seu Presidente e, também, a gestão que, tal como é do conhecimento público, há muito que não corresponde às necessidades para as quais esta estrutura foi criada”. Os social-democratas entendem existir “grandes contradições entre o Executivo Municipal e o administrador da referida empresa”, que foi nomeado e que agora é substituído, com a autarquia a negar qualquer tipo de esclarecimento sobre a matéria. Aliás, “o Executivo Municipal recusa explicar em que é que a alteração estatutária justifica a demissão ora anunciada”, reforçam, algo que, à luz da legalidade que estes processos exigem, acaba por ser mais uma incongruência a apontar, entre muitas outras suspeições que o dossiê levanta. “É contra esta falta de transparência e esta gestão pouco clara dos dinheiros públicos que, mais uma vez, o PSD se manifesta, na expetativa de que este episódio não seja mais uma encenação montada como aquela a que assistimos relativamente à Empresa Frente MarFunchal”, afirmam os social-democratas, garantindo que, também neste caso, “irão até às últimas consequências”. “É fundamental que os Funchalenses percebam o que realmente se passa na gestão desta empresa e, acima de tudo, o porquê da mesma não corresponder à sua finalidade, atendendo à lista de espera para habitação social que o Funchal detém nesta altura”, rematam.  

PSD defende auditoria ao processo de nomeação e demissão na Sociohabitafunchal
Os representantes do PSD eleitos à Câmara Municipal do Funchal irão avançar com uma proposta para a realização de uma auditória externa ao processo de nomeação e demissão da administração da Empresa Municipal Sociohabitafunchal, de forma “a que fiquem cabalmente esclarecidos os contornos que levaram à saída do seu Presidente e, também, a gestão que, tal como é do conhecimento público, há muito que não corresponde às necessidades para as quais esta estrutura foi criada”. Os social-democratas entendem existir “grandes contradições entre o Executivo Municipal e o administrador da referida empresa”, que foi nomeado e que agora é substituído, com a autarquia a negar qualquer tipo de esclarecimento sobre a matéria. Aliás, “o Executivo Municipal recusa explicar em que é que a alteração estatutária justifica a demissão ora anunciada”, reforçam, algo que, à luz da legalidade que estes processos exigem, acaba por ser mais uma incongruência a apontar, entre muitas outras suspeições que o dossiê levanta. “É contra esta falta de transparência e esta gestão pouco clara dos dinheiros públicos que, mais uma vez, o PSD se manifesta, na expetativa de que este episódio não seja mais uma encenação montada como aquela a que assistimos relativamente à Empresa Frente MarFunchal”, afirmam os social-democratas, garantindo que, também neste caso, “irão até às últimas consequências”. “É fundamental que os Funchalenses percebam o que realmente se passa na gestão desta empresa e, acima de tudo, o porquê da mesma não corresponder à sua finalidade, atendendo à lista de espera para habitação social que o Funchal detém nesta altura”, rematam.