PS-M irá promover debate sobre o futuro do Sistema Regional de Saúde

O Grupo Parlamentar do Partido Socialista da Madeira (PS-M) promoveu esta manhã, na sede do PS-Madeira, uma conferência de imprensa onde abordou a mais recente "novela" vivida na Saúde, nomeadamente a questão de todo o processo em torno da...

PS-M irá promover debate sobre o futuro do Sistema Regional de Saúde
O Grupo Parlamentar do Partido Socialista da Madeira (PS-M) promoveu esta manhã, na sede do PS-Madeira, uma conferência de imprensa onde abordou a mais recente "novela" vivida na Saúde, nomeadamente a questão de todo o processo em torno da direção clínica do SESARAM, o onde, anunciou medidas que visam encontrar soluções para os reias problemas existentes no Sistema Regional de Saúde. O deputado Paulo Cafôfo, porta-voz do grupo, em declarações à comunicação social, adiantou assim que "o PS-M irá promover um debate público com intervenientes de vários sectores da Saúde para debater o futuro do Sistema Regional de Saúde, que passa, em grande medida, pela apresentação de soluções exequíveis que visam melhorar este sector tão fundamental".  O parlamentar começou por afirmar que "vivemos uma situação de emergência no Sistema Regional de Saúde", explicando que "essa emergência tem sido agravada com os problemas já conhecidos, mas agora, com esta 'novela' à volta da direção clínica e da designação do Dr. Mário Pereira para diretor clínico". O deputado socialista lembrou ainda que desde o primeiro momento o PS-M criticou "a partidarização das questões relacionadas com a Saúde", particularmente com esta questão do cargo de diretor clínico, um cargo eminentemente técnico. O parlamentar apontou que este problema se deveu ao facto do PSD e CDS terem colocado "os interesses dos partidos à frente dos interesses dos madeirenses e porto-santenses, à frente da Saúde da Região". "Aliás, isto é um governo que não governa para os madeirenses e porto-santenses, mas governa para o PSD e para o CDS, governa para os partidos que suportam este Governo Regional", vincou, apontando ainda que esta situação é reveladora de "incompetência, mas também uma falta de estratégia". "Não devíamos misturar a partidarização com questões que são técnicas", criticou, afirmando que se "disputou esta situação que seria perfeitamente evitável se houvesse bom senso e se o Governo Regional colocasse os interesses da Região à frente dos interesses dos partidos". O deputado lembrou ainda que o estado da Saúde na Região é uma preocupação do PS-M, revelando que "queremos soluções e é nesse sentido que vamos ter duas medidas muito concretas que visam contribuir para o bom funcionamento do Sistema Regional de Saúde".  O parlamentar enumerou, dizendo que "uma primeira passa pela constituição de uma comissão parlamentar que possa averiguar todo o processo que levou à designação do diretor clínico no SESARAM", referido ainda que "nos parece que há um desrespeito pelos princípios que devem obedecer ao exercício desse cargo e porque houve aqui uma ilegalidade que importa aferir com esta comissão". "Veremos qual será a posição do PSD e CDS relativamente quanto a este requerimento do PS-M", sublinhou. Continuou a enumeração, referindo que "há uma segunda ação que também nos parece importante nesta postura que tem sido a do Partido Socialista, a de construir uma alternativa com base em soluções. Nós iremos realizar, na próxima semana, um debate público sobre o futuro do Sistema Regional de Saúde. Esta emergência que vivemos na Saúde impõem-se que chamemos os profissionais e que possamos dialogar com quem está e trabalha no Serviço Regional de Saúde, para encontrarmos, em conjunto, as soluções necessárias". "Neste debate público sobre o futuro do Sistema Regional de Saúde, importa-nos a nós ter às respostas a três questões muitos concretas", revelou. Paulo Cafôfo voltou assim a enumerar: "Uma primeira é que precisamos de uma governação estratégica para o Sistema Regional de Saúde, uma segunda, é que precisamos de mudanças e reformas que possam alterar o estado em que se encontra a Saúde na Região e, uma terceira, temos que ter lideranças competentes que possam provocar as transformações que necessitamos". "Nesta nova estratégia precisamos ter uma visão de futuro. Uma visão que implica não acumular problemas, nem criar novos problemas", sublinhou. Paulo Cafôfo explicou que esta nova visão visa apaziguar a questão das listas de espera e dos tempos máximos de resposta, das altas problemáticas, da necessária e urgente reorganização dos cuidados hospitalares, cuidados primários, cuidados continuados e domiciliários. O socialista apontou ainda que para obter soluções para esses problemas é necessário "ouvir os profissionais de Saúde para ter soluções concretas, com objetivos claros que possam ser avaliados, monitorizados e escrutinados". "Vamos promover este debate público sobre o futuro do Sistema Regional de Saúde para que tenhamos um acesso aos cuidados de saúde de excelência, para que haja a valorização dos profissionais de Saúde e para que se volte a credibilizar o nosso Sistema Regional", concluiu.  "Secretário regional da Saúde não tem condições políticas para tutelar a Saúde" Em resposta aos jornalistas, Paulo Cafôfo afirmou que "na nossa perspetiva o secretário regional da Saúde não tem, neste momento, condições políticas para tutelar a Saúde". "Mas temos que ultrapassar esta questão dos lugares e dos cargos. Aquilo que interessa ao PS-M, mais que os lugares ou que os cargos, são as soluções para a resolução dos problemas da Saúde", defendeu. "O coronavírus é um problema a que temos de estar atentos"  O deputado Paulo Cafôfo, em resposta aos jornalistas sobre o novo vírus que esta a gerar grandes preocupações a nível Munida, respondeu que "o coronavírus é um problema que temos de estar atentos e que torna mais importante ter, neste momento, estabilidade no sector da Saúde. "E a estabilidade passa por um diretor clínico que possa responder e ter um plano que seja satisfatório e que garanta segurança de toda a população numa eventual chegada do vírus à Região", revelou.