Processo de habeas corpus não vai prosseguir porque teste à covid deu negativo

O processo de habeas corpus da jovem que o havia pedido não prossegue, não por falta de fundamento, mas porque as autoridades de saúde anteciparam-se e fizeram ontem o teste à jovem, o qual deu negativo. Assim, a jovem já foi libertada hoje e veio a tribunal. O processo fica assim resolvido Oportunidade que Maria João Nepomuceno, advogada no caso, disse aos jornalistas que nunca esteve em causa o facto de a jovem não querer fazer confinamento. O que aconteceu é que, à chegada à Madeira, a requerente pediu para ir para isolamento em casa, propôs também pagar o teste à covid ou ainda regressar a Lisboa. Nenhuma destas sugestões terá sido aceite. Maria João Nepomuceno admite o trabalho excepcional do Governo contra a pandemia e diz que a jovem também nunca colocou essa situação em causa. Contudo, já fora do Estado de Emergência, e tendo proposto várias soluções várias, decidiu optar por ir para Tribunal pois considerou que não devia ficar 14 dias no hotel, depois de uma quarentena já feita em Lisboa . A advogada acrescentou ainda que a jovem foi informada pela receção do hotel que o teste seria feito ao 13 dia. Mas tudo foi antecipado e hoje recebeu o resultado do teste realizado ontem. Refira-se que o presidente do IASAUDE esteve no Tribunal antes de a juíza ouvir a jovem

Processo de habeas corpus não vai prosseguir porque teste à covid deu negativo
O processo de habeas corpus da jovem que o havia pedido não prossegue, não por falta de fundamento, mas porque as autoridades de saúde anteciparam-se e fizeram ontem o teste à jovem, o qual deu negativo. Assim, a jovem já foi libertada hoje e veio a tribunal. O processo fica assim resolvido Oportunidade que Maria João Nepomuceno, advogada no caso, disse aos jornalistas que nunca esteve em causa o facto de a jovem não querer fazer confinamento. O que aconteceu é que, à chegada à Madeira, a requerente pediu para ir para isolamento em casa, propôs também pagar o teste à covid ou ainda regressar a Lisboa. Nenhuma destas sugestões terá sido aceite. Maria João Nepomuceno admite o trabalho excepcional do Governo contra a pandemia e diz que a jovem também nunca colocou essa situação em causa. Contudo, já fora do Estado de Emergência, e tendo proposto várias soluções várias, decidiu optar por ir para Tribunal pois considerou que não devia ficar 14 dias no hotel, depois de uma quarentena já feita em Lisboa . A advogada acrescentou ainda que a jovem foi informada pela receção do hotel que o teste seria feito ao 13 dia. Mas tudo foi antecipado e hoje recebeu o resultado do teste realizado ontem. Refira-se que o presidente do IASAUDE esteve no Tribunal antes de a juíza ouvir a jovem