Presidente do Fórum da Energia e Clima diz que coronavírus resulta de agressão à natureza

O presidente do Fórum da Energia e Clima considerou hoje que o coronavírus se junta às centenas de doenças novas que surgiram nos últimos 50 anos, que têm origem na agressão que a “civilização faz ao mundo natural”. “O coronavírus é uma zoonose que se junta às centenas de doenças novas que apareceram nos últimos 50 anos e que tem origem na agressão que a nossa civilização faz ao mundo natural”, defendeu Ricardo Campos, citado num comunicado que divulga os detalhes sobre o encerramento de um ciclo de 23 conferências sobre soluções para a crise climática. Na sessão de encerramento, o Fórum da Energia e Clima vai juntar os ministros do Ambiente da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) para uma conversa, transmitida em direto nas redes sociais, em 30 de setembro, pelas 21:00. Para o presidente do Fórum da Energia e Clima as “crises globais precisam de respostas globais e a frente lusófona pode ter um papel determinante, uma vez que representa 270 milhões de pessoas, com países muito diferentes e com necessidades também diferentes”. Assim, promover uma conversa em torno das Crises Globais e dar voz ao “espaço de amizade e cooperação” da CPLP é o principal objetivo do fórum, adianta a nota. A conversa entre os nove ministros do Ambiente da CPLP, não só será transmitida em direto nas redes sociais (Facebook, Instagram e Youtube) como em alguns canais de televisão nacionais, com os quais o fórum está a finalizar acordos para a disponibilização de sinal. Confirmada está já a transmissão em direto nas televisões da Guiné-Bissau e da Guiné Equatorial.

Presidente do Fórum da Energia e Clima diz que coronavírus resulta de agressão à natureza
O presidente do Fórum da Energia e Clima considerou hoje que o coronavírus se junta às centenas de doenças novas que surgiram nos últimos 50 anos, que têm origem na agressão que a “civilização faz ao mundo natural”. “O coronavírus é uma zoonose que se junta às centenas de doenças novas que apareceram nos últimos 50 anos e que tem origem na agressão que a nossa civilização faz ao mundo natural”, defendeu Ricardo Campos, citado num comunicado que divulga os detalhes sobre o encerramento de um ciclo de 23 conferências sobre soluções para a crise climática. Na sessão de encerramento, o Fórum da Energia e Clima vai juntar os ministros do Ambiente da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) para uma conversa, transmitida em direto nas redes sociais, em 30 de setembro, pelas 21:00. Para o presidente do Fórum da Energia e Clima as “crises globais precisam de respostas globais e a frente lusófona pode ter um papel determinante, uma vez que representa 270 milhões de pessoas, com países muito diferentes e com necessidades também diferentes”. Assim, promover uma conversa em torno das Crises Globais e dar voz ao “espaço de amizade e cooperação” da CPLP é o principal objetivo do fórum, adianta a nota. A conversa entre os nove ministros do Ambiente da CPLP, não só será transmitida em direto nas redes sociais (Facebook, Instagram e Youtube) como em alguns canais de televisão nacionais, com os quais o fórum está a finalizar acordos para a disponibilização de sinal. Confirmada está já a transmissão em direto nas televisões da Guiné-Bissau e da Guiné Equatorial.