POCIF: Helicóptero fez 48 missões e quase 600 descargas de água

Plano Operacional de Combate aos Incêndios Florestais (POCIF), que esteve em vigor entre os dias 15 de junho e 30 de novembro, terminou hoje com um dispositivo de intervenção permanente nas serras da madeira a cargo dos Bombeiros, Militares, GNR e ainda a Polícia Florestal. Na cerimónia de encerramento, Pedro Ramos, secretário regional da Saúde e Proteção Civil, revelou que "foi um ano positivo, com menos incêndios e área ardida”, num trabalho onde os operacionais foram exemplares. Ficou a promessa que está tudo pronto para que o helicóptero esteja na RAM o ano todo. Por isso, agradeceu o empenho da equipa helitransportada e todos os operacionais de todas as corporações de bombeiros pelo trabalho de patrulhamento, vigilância e combate aos incêndios. O meio aéreo esteve envolvido em 48 missões, quase 60 horas de voo e fez 597 descargas, revelou ainda o governante. Este plano foi implementado pelo Governo Regional em 2015, com objetivo de disponibilizar no terreno, 24 horas por dia, um conjunto de equipas, compostas por elementos dos corpos de bombeiros, entre outros agentes da área da proteção civil, com a missão de patrulhar, detectar e extinguir focos de incêndio nascentes, acionar meios de reforço e, ainda, promover informação e sensibilização às populações. O POCIF 2020 contou, pelo terceiro ano consecutivo, com a utilização do meio aéreo, designadamente com um Helicóptero de Ataque Inicial (HEATI) e respetiva equipa helitransportada composta por 20 bombeiros das várias corporações, bem como ainda o reforço das equipas terrestres Equipas de Combate a Incêndios Florestais (ECIF´s) e ainda, no âmbito da coordenação de todo o dispositivo, com um Oficial de Ligação que se manteve 24 horas no Comando Regional de Operações de Socorro (CROS).

POCIF: Helicóptero fez 48 missões e quase 600 descargas de água
Plano Operacional de Combate aos Incêndios Florestais (POCIF), que esteve em vigor entre os dias 15 de junho e 30 de novembro, terminou hoje com um dispositivo de intervenção permanente nas serras da madeira a cargo dos Bombeiros, Militares, GNR e ainda a Polícia Florestal. Na cerimónia de encerramento, Pedro Ramos, secretário regional da Saúde e Proteção Civil, revelou que "foi um ano positivo, com menos incêndios e área ardida”, num trabalho onde os operacionais foram exemplares. Ficou a promessa que está tudo pronto para que o helicóptero esteja na RAM o ano todo. Por isso, agradeceu o empenho da equipa helitransportada e todos os operacionais de todas as corporações de bombeiros pelo trabalho de patrulhamento, vigilância e combate aos incêndios. O meio aéreo esteve envolvido em 48 missões, quase 60 horas de voo e fez 597 descargas, revelou ainda o governante. Este plano foi implementado pelo Governo Regional em 2015, com objetivo de disponibilizar no terreno, 24 horas por dia, um conjunto de equipas, compostas por elementos dos corpos de bombeiros, entre outros agentes da área da proteção civil, com a missão de patrulhar, detectar e extinguir focos de incêndio nascentes, acionar meios de reforço e, ainda, promover informação e sensibilização às populações. O POCIF 2020 contou, pelo terceiro ano consecutivo, com a utilização do meio aéreo, designadamente com um Helicóptero de Ataque Inicial (HEATI) e respetiva equipa helitransportada composta por 20 bombeiros das várias corporações, bem como ainda o reforço das equipas terrestres Equipas de Combate a Incêndios Florestais (ECIF´s) e ainda, no âmbito da coordenação de todo o dispositivo, com um Oficial de Ligação que se manteve 24 horas no Comando Regional de Operações de Socorro (CROS).