‘Pestana Caracas’ reabriu um ano e 4 meses depois

Era uma promessa de Dionísio Pestana. Na última segunda-feira confirmou-se a reabertura, em ‘soft opening’, do Hotel Pestana Caracas. Miguel Emauz, representante do grupo hoteleiro, foi o grande obreiro num longo e delicado processo. “Ninguém...

‘Pestana Caracas’ reabriu  um ano e 4 meses depois
Era uma promessa de Dionísio Pestana. Na última segunda-feira confirmou-se a reabertura, em ‘soft opening’, do Hotel Pestana Caracas. Miguel Emauz, representante do grupo hoteleiro, foi o grande obreiro num longo e delicado processo. “Ninguém desiste da Venezuela”, sintetiza ao JM. Decorreram um ano e quatro meses desde que foi encerrada a unidade hoteleira do Grupo Pestana, em Chacau, na capital venezuelana. Um encerramento e uma longa ‘travessia do deserto’ marcados por uma forte componente política, agora ultrapassada, num país que continua mergulhado numa profunda crise político-social, agravada com o bloqueio internacional às políticas de Nicolás Maduro. Leia mais na edição impressa desta quarta-feira.