Pandemia já matou quatro ministros no Zimbabué

O número de ministros do Zimbabué que morreu devido à pandemia de covid-19 subiu hoje para quatro, três deles nas últimas duas semanas, informaram as autoridades deste país africano que faz fronteira com Moçambique. "A pandemia não faz distinção, não há espetadores nem juízes, ninguém está mais a salvo que outros, não há super-homens nem super-mulheres, estamos todos expostos", disse o Presidente, Emmerson Mnangagwa, num discurso feito na televisão nacional, no qual anunciou a morte do ministro. Na semana passada, Mnangagwa presidiu ao funeral de outro ministro, que se seguiu ao ministro dos Negócios Estrangeiros e dos Transportes, numa "colheita sangrenta" que levou também vários membros do Parlamento e mostra a aceleração dos contágios neste país, segundo relata a AP. Os críticos do Governo acusam o Executivo de estar a usar a pandemia como arma, ao deterem vários deputados da oposição e outros críticos, obrigando-os a estar em cadeias sobrelotadas onde a doença é facilmente transmitida. Os críticos acusam tmbém o Governo de negligenciar os hospitais públicos, onde muitos doentes com covid-19 não conseguem ter acesso ao oxigénio necessário para sobreviver, enquanto a elite usa os hospitais privados ou voa para fora do país em busca de melhor tratamento médico.

Pandemia já matou quatro ministros no Zimbabué
O número de ministros do Zimbabué que morreu devido à pandemia de covid-19 subiu hoje para quatro, três deles nas últimas duas semanas, informaram as autoridades deste país africano que faz fronteira com Moçambique. "A pandemia não faz distinção, não há espetadores nem juízes, ninguém está mais a salvo que outros, não há super-homens nem super-mulheres, estamos todos expostos", disse o Presidente, Emmerson Mnangagwa, num discurso feito na televisão nacional, no qual anunciou a morte do ministro. Na semana passada, Mnangagwa presidiu ao funeral de outro ministro, que se seguiu ao ministro dos Negócios Estrangeiros e dos Transportes, numa "colheita sangrenta" que levou também vários membros do Parlamento e mostra a aceleração dos contágios neste país, segundo relata a AP. Os críticos do Governo acusam o Executivo de estar a usar a pandemia como arma, ao deterem vários deputados da oposição e outros críticos, obrigando-os a estar em cadeias sobrelotadas onde a doença é facilmente transmitida. Os críticos acusam tmbém o Governo de negligenciar os hospitais públicos, onde muitos doentes com covid-19 não conseguem ter acesso ao oxigénio necessário para sobreviver, enquanto a elite usa os hospitais privados ou voa para fora do país em busca de melhor tratamento médico.