Orlando Fernandes diz que vai lutar pela auditoria externa à Frente Mar Funchal

O deputado municipal independente, Orlando Fernandes, diz que vai lutar pela realização da auditoria "até ao limite do possível", de forma a que a verdade prevaleça e os munícipes fiquem a saber "o real responsável pelo desastre empresarial"...

Orlando Fernandes diz que vai lutar pela auditoria externa à Frente Mar Funchal
O deputado municipal independente, Orlando Fernandes, diz que vai lutar pela realização da auditoria "até ao limite do possível", de forma a que a verdade prevaleça e os munícipes fiquem a saber "o real responsável pelo desastre empresarial" que foi a gestão da empresa municipal Frente Mar Funchal. Em nota enviada à imprensa, o deputado municipal diz que a solução apresentada agora pelo executivo camarário "peca por tardia" e diz "não compreender a sua teimosia, desde 2015, em manter uma empresa insustentável, na sua atual estrutura, em funcionamento penalizando assim a bolsa dos funchalenses". Orlando Fernandes refere ainda que a posição de querer  liquidar a empresa municipal não é mais do que "uma manobra de diversão para não efetuar a auditoria externa aprovada em Assembleia Municipal em fevereiro de 2019" e que os problemas da Frente Mar estiveram sempre na "agenda política". Fazendo uma espécie de agenda cronológica, Orlando Fernandes lembra  que a 29 de junho de 2018, aquando da aprovação de contas da Câmara Municipal do Funchal do ano de 2017, e enquanto deputado municipal pelo JPP, colocou em causa as contas consolidadas da Câmara Municipal do Funchal, referindo que não podia "deixar passar em claro dúvidas e questões técnicas suscitadas pelo documento apresentado, após análise das contas individuais do perímetro de consolidação”, sugerindo já na altura a realização de uma auditoria. A 26 de fevereiro de 2019, diz que apresentou, tendo sido aprovada por maioria, uma proposta de resolução intitulada “Propomos que a Câmara Municipal do Funchal promova uma auditoria externa à Empresa Municipal Frente MarFunchal – Gestão e Exploração de Espaços Públicos, EM, iniciando o procedimento no prazo máximo de 60 dias, com o objetivo de determinar as causas do desequilíbrio nas suas contas, propondo soluções exequíveis para a sua viabilização, sem recurso permanente ao erário municipal. "A referida proposta teve a abstenção do CDS, que agora quer fazer transparecer que sempre foi a favor da Auditoria, o que não se refletiu na posição tomada na altura", denuncia. Em 29 de abril de 2019 foi aprovada, por maioria, na Assembleia Municipal uma proposta de “Criação da Comissão Eventual para Acompanhamento da Auditoria Externa à Frente Mar Funchal - Gestão e Exploração de Espaços Públicos e Estacionamentos Públicos Urbanos, E.M”. A constituição da referida comissão assim como a realização da auditoria "foram totalmente repudiadas pelo então presidente Paulo Cafofo e ignoradas pelo vice-presidente, Miguel Gouveia, atual presidente camarário", denunciou o deputado municipal.