Obras do Caminho Agrícola Achada-Chote no Jardim da Serra já estão no terreno

Já está no terreno a empreitada do caminho agrícola entre os sítios da Achada e Chote, no Jardim da Serra. A obra consiste na construção de um caminho agrícola com dois ramais, com um cumprimento total aproximado de 1300 metros, informou a Câmara Municipal de Câmara de Lobos. Orçado em 2,8 milhões de euros, este investimento é estratégico para a freguesia do Jardim da Serra, contribuindo para a dinamização do setor agrícola e melhoria das acessibilidades aos terrenos e aos aglomerados populacionais existentes na zona. “O novo arruamento facilitará o trabalho dos agricultores, promovendo o aumento do rendimento da sua atividade e, dado o impacto positivo do setor na paisagem e na imagem distintiva do nosso concelho, potenciará a sua a valorização e atratividade turística”, refere a autarquia. O caminho agrícola do Achada-Chote, é constituído por dois ramais com uma extensão total de 1245 metros. O ramal principal tem uma extensão de 905 metros, ligando diretamente o sítio da Achada ao sítio do Chote. O ramal secundário tem uma extensão aproximada de 340 metros e será uma via sem saída. O perfil do novo arruamento será constituído por faixa de rodagem com 4,00m de largura, acrescido de valeta com 0,50m destinada ao escoamento das águas pluviais. “O arruamento na sua totalidade serve uma extensa área predominantemente agrícola, onde prevalece a cultura de frutícolas e vegetais. A conceção do traçado teve como princípio orientador servir da melhor forma possível os terrenos agrícolas existentes no local, não descurando o acesso automóvel ao aglomerado populacional. Por essa razão, a Câmara previu a execução de diversas infraestruturas, com destaque para rede de rega, rede de distribuição de água potável, rede de drenagem de esgotos domésticos e rede de iluminação pública”, acrescenta. A rede de distribuição de água potável será realizada a partir da rede existente nas estradas confinantes com o ramal principal. Serão ainda executadas ligações domiciliárias completas às habitações confinantes com os dois ramais do arruamento, bem como aos terrenos agrícolas com aptidão para futura construção, com a consequente valorização dos mesmos. Este investimento é financiado a 85% pelo PRODERAM, ficando o remanescente a cargo do orçamento municipal. Uma obra que "se enquadra na política de investimentos estruturantes do concelho, ao nível de caminhos agrícolas". No caso do Jardim da Serra este é o terceiro caminho agrícola a ser executado, durante o mandato de Pedro Coelho, depois do caminho Agrícola do Luzirão e das Romeiras. Segundo o autarca, no último ano decorrente até à data de hoje, o município de Câmara de Lobos já executou cerca de 4,2 milhões de euros na requalificação e expansão da rede viária do concelho, Um investimento que além de obras estruturantes, incluiu o asfaltamento e reparação de vias públicas e caminhos pedonais. Pedro Coelho ressalva que “a aposta do município na realização destes investimentos em infraestruturas é possível através de uma rigorosa gestão orçamental. Com novas situações sociais emergentes, decorrentes do quadro atual, temos conseguido dar as respostas adequadas sem comprometer os investimentos necessários e assumidos perante a população.”  

Obras do Caminho Agrícola Achada-Chote no Jardim da Serra já estão no terreno
Já está no terreno a empreitada do caminho agrícola entre os sítios da Achada e Chote, no Jardim da Serra. A obra consiste na construção de um caminho agrícola com dois ramais, com um cumprimento total aproximado de 1300 metros, informou a Câmara Municipal de Câmara de Lobos. Orçado em 2,8 milhões de euros, este investimento é estratégico para a freguesia do Jardim da Serra, contribuindo para a dinamização do setor agrícola e melhoria das acessibilidades aos terrenos e aos aglomerados populacionais existentes na zona. “O novo arruamento facilitará o trabalho dos agricultores, promovendo o aumento do rendimento da sua atividade e, dado o impacto positivo do setor na paisagem e na imagem distintiva do nosso concelho, potenciará a sua a valorização e atratividade turística”, refere a autarquia. O caminho agrícola do Achada-Chote, é constituído por dois ramais com uma extensão total de 1245 metros. O ramal principal tem uma extensão de 905 metros, ligando diretamente o sítio da Achada ao sítio do Chote. O ramal secundário tem uma extensão aproximada de 340 metros e será uma via sem saída. O perfil do novo arruamento será constituído por faixa de rodagem com 4,00m de largura, acrescido de valeta com 0,50m destinada ao escoamento das águas pluviais. “O arruamento na sua totalidade serve uma extensa área predominantemente agrícola, onde prevalece a cultura de frutícolas e vegetais. A conceção do traçado teve como princípio orientador servir da melhor forma possível os terrenos agrícolas existentes no local, não descurando o acesso automóvel ao aglomerado populacional. Por essa razão, a Câmara previu a execução de diversas infraestruturas, com destaque para rede de rega, rede de distribuição de água potável, rede de drenagem de esgotos domésticos e rede de iluminação pública”, acrescenta. A rede de distribuição de água potável será realizada a partir da rede existente nas estradas confinantes com o ramal principal. Serão ainda executadas ligações domiciliárias completas às habitações confinantes com os dois ramais do arruamento, bem como aos terrenos agrícolas com aptidão para futura construção, com a consequente valorização dos mesmos. Este investimento é financiado a 85% pelo PRODERAM, ficando o remanescente a cargo do orçamento municipal. Uma obra que "se enquadra na política de investimentos estruturantes do concelho, ao nível de caminhos agrícolas". No caso do Jardim da Serra este é o terceiro caminho agrícola a ser executado, durante o mandato de Pedro Coelho, depois do caminho Agrícola do Luzirão e das Romeiras. Segundo o autarca, no último ano decorrente até à data de hoje, o município de Câmara de Lobos já executou cerca de 4,2 milhões de euros na requalificação e expansão da rede viária do concelho, Um investimento que além de obras estruturantes, incluiu o asfaltamento e reparação de vias públicas e caminhos pedonais. Pedro Coelho ressalva que “a aposta do município na realização destes investimentos em infraestruturas é possível através de uma rigorosa gestão orçamental. Com novas situações sociais emergentes, decorrentes do quadro atual, temos conseguido dar as respostas adequadas sem comprometer os investimentos necessários e assumidos perante a população.”