Museu comprou 200 peças a artesãos em 2020

O secretário regional de Turismo e Cultura sublinha a importância de valorizar o conhecimento dos artífices que construíram preciosos testemunhos do património. ‘Artesanato madeirense-Valorize, compre o que é nosso’, assim se intitula o projeto que permitiu à Secretaria Regional de Turismo e Cultura adquirir, em 2020, mais de 200 peças a artesãos madeirenses. Lançada o ano passado como uma das atividades dinamizadoras do Museu Etnográfico da Madeira, durante a pandemia, a iniciativa saiu reforçada com a intenção do secretário regional de Turismo e Cultura para que fossem compradas peças únicas, trabalhadas por mãos habilidosas, com o intuito de enriquecer ainda mais a oferta museológica. E não só o projeto foi muito abrangente como recebeu luz verde de Eduardo Jesus para que o Museu Etnográfico da Madeira desse continuidade ao que havia sido iniciado no ano anterior. Por isso mesmo, mantém-se o relacionamento de artesãos e a aquisição de peças para o acervo do museu, tendo já sido estabelecidos vários contactos nesse sentido. Como consequência, foram encomendadas peças e iniciados os processos de aquisição. Em relação às 201 peças adquiridas pelo MEM o ano passado, por 6.800€ , a 14 artesãos madeirenses, o secretário regional teve oportunidade de as ver durante uma visita ao Museu localizado na Ribeira Brava, e sublinhou a importância de valorizar o conhecimento e o "know-how" dos artífices que "construíram preciosos testemunhos do nosso património cultural". Eduardo Jesus referiu que a iniciativa "mostra bem a capacidade do Museu Etnográfico da Madeira de prosseguir a sua missão, conseguindo inovar durante a contrariedade da pandemia". Além disso "permitiu cumprir o objetivo primordial de recuperação e divulgação, através da partilha de obras de artesanato de produção regional, dando a conhecer os artesãos madeirenses e incentivando a população a adquirir peças feitas pelos artistas da Madeira", adiantou. Eduardo Jesus referiu que a diversidade de técnicas, materiais e artesãos que participam neste projeto "ilustra a riqueza da nossa identidade cultural e criatividade dos artesãos, expressa através de diferentes técnicas e materiais”.

Museu comprou 200 peças a artesãos em 2020
O secretário regional de Turismo e Cultura sublinha a importância de valorizar o conhecimento dos artífices que construíram preciosos testemunhos do património. ‘Artesanato madeirense-Valorize, compre o que é nosso’, assim se intitula o projeto que permitiu à Secretaria Regional de Turismo e Cultura adquirir, em 2020, mais de 200 peças a artesãos madeirenses. Lançada o ano passado como uma das atividades dinamizadoras do Museu Etnográfico da Madeira, durante a pandemia, a iniciativa saiu reforçada com a intenção do secretário regional de Turismo e Cultura para que fossem compradas peças únicas, trabalhadas por mãos habilidosas, com o intuito de enriquecer ainda mais a oferta museológica. E não só o projeto foi muito abrangente como recebeu luz verde de Eduardo Jesus para que o Museu Etnográfico da Madeira desse continuidade ao que havia sido iniciado no ano anterior. Por isso mesmo, mantém-se o relacionamento de artesãos e a aquisição de peças para o acervo do museu, tendo já sido estabelecidos vários contactos nesse sentido. Como consequência, foram encomendadas peças e iniciados os processos de aquisição. Em relação às 201 peças adquiridas pelo MEM o ano passado, por 6.800€ , a 14 artesãos madeirenses, o secretário regional teve oportunidade de as ver durante uma visita ao Museu localizado na Ribeira Brava, e sublinhou a importância de valorizar o conhecimento e o "know-how" dos artífices que "construíram preciosos testemunhos do nosso património cultural". Eduardo Jesus referiu que a iniciativa "mostra bem a capacidade do Museu Etnográfico da Madeira de prosseguir a sua missão, conseguindo inovar durante a contrariedade da pandemia". Além disso "permitiu cumprir o objetivo primordial de recuperação e divulgação, através da partilha de obras de artesanato de produção regional, dando a conhecer os artesãos madeirenses e incentivando a população a adquirir peças feitas pelos artistas da Madeira", adiantou. Eduardo Jesus referiu que a diversidade de técnicas, materiais e artesãos que participam neste projeto "ilustra a riqueza da nossa identidade cultural e criatividade dos artesãos, expressa através de diferentes técnicas e materiais”.