Motard Lusodescendente envolvido em projeto de solidariedade

O JM acompanhou os Crusaders, grupo de motards na África do Sul, cujo vice-presidente é o luso descendente com raízes no Porto Moniz, Luís António Delgado, numa ação generosa em prol do próximo. Pelas 07:30h, a concentração tem lugar na residência do presidente da “chapter“ de Boksburg, Theo Klpopers, onde alimentos para 200 famílias estavam devida e higienicamente acondicionados. Forma-se “uma fila passa mim, passo a ti, tipo militar” e, em pouco menos de meia hora, um veículo pesado de carga e outros nove ligeiros para transporte de alimentos estavam carregados. Forma-se um círculo e ouve-se uma oração. Estão prontos para a partida. Um exército de 60 motos e motociclistas com tarefas bem definidas montam uma escolta, à frente os mais antigos a flanquear e à retaguarda os menos antigos, dez viaturas incluindo a do JM, um veículo anti-carjacking, iniciam a marcha em direção a Caravan Park, um campo “squatter“  onde  vivem – se isso se pode assim dizer -  80 pessoas brancas e cerca de 20 negras. Chegada ao “squatter” À chegada desta coluna de automóveis e motas, os residentes acotovelam-se uns aos outros agradecendo a visita.  Soam aplausos, há lágrimas nos olhos de algumas pessoas.  Luís António Delgado já muito conhecido neste local é assediado com perguntas continuadamente até que pede ordem para começar a distribuição. Luís António Delgado instado pelo JM disse que os seu clube foi formado há 13 anos e tem de momento 2 300 membros de ambos os sexos. Congrega 44 clubes designados de              espalhados pelo país. Desde há cinco anos que pertence à “família“ dos Crusaders . “Motas é algo que desde muito novo me corre nas veias. Além disso sinto-me feliz, é gratificante poder ajudar os outros”. Leia tudo edição impressa deste domingo do seu JM.

O JM acompanhou os Crusaders, grupo de motards na África do Sul, cujo vice-presidente é o luso descendente com raízes no Porto Moniz, Luís António Delgado, numa ação generosa em prol do próximo. Pelas 07:30h, a concentração tem lugar na residência do presidente da “chapter“ de Boksburg, Theo Klpopers, onde alimentos para 200 famílias estavam devida e higienicamente acondicionados. Forma-se “uma fila passa mim, passo a ti, tipo militar” e, em pouco menos de meia hora, um veículo pesado de carga e outros nove ligeiros para transporte de alimentos estavam carregados. Forma-se um círculo e ouve-se uma oração. Estão prontos para a partida. Um exército de 60 motos e motociclistas com tarefas bem definidas montam uma escolta, à frente os mais antigos a flanquear e à retaguarda os menos antigos, dez viaturas incluindo a do JM, um veículo anti-carjacking, iniciam a marcha em direção a Caravan Park, um campo “squatter“  onde  vivem – se isso se pode assim dizer -  80 pessoas brancas e cerca de 20 negras. Chegada ao “squatter” À chegada desta coluna de automóveis e motas, os residentes acotovelam-se uns aos outros agradecendo a visita.  Soam aplausos, há lágrimas nos olhos de algumas pessoas.  Luís António Delgado já muito conhecido neste local é assediado com perguntas continuadamente até que pede ordem para começar a distribuição. Luís António Delgado instado pelo JM disse que os seu clube foi formado há 13 anos e tem de momento 2 300 membros de ambos os sexos. Congrega 44 clubes designados de              espalhados pelo país. Desde há cinco anos que pertence à “família“ dos Crusaders . “Motas é algo que desde muito novo me corre nas veias. Além disso sinto-me feliz, é gratificante poder ajudar os outros”. Leia tudo edição impressa deste domingo do seu JM.