Mau tempo: Quatrocentos operacionais apoiam três concelhos do Baixo Mondego

Quatrocentos operacionais estão hoje em três concelhos da região do Baixo Mondego a acudir a problemas causados pelo mau tempo, disse o Comandante Distrital de Operações de Socorro de Coimbra. Em conferência de imprensa, Carlos Luís Tavares...

Mau tempo: Quatrocentos operacionais apoiam três concelhos do Baixo Mondego
Quatrocentos operacionais estão hoje em três concelhos da região do Baixo Mondego a acudir a problemas causados pelo mau tempo, disse o Comandante Distrital de Operações de Socorro de Coimbra. Em conferência de imprensa, Carlos Luís Tavares explicou que no terreno estão corporações de bombeiros dos distritos de Coimbra, Aveiro, Castelo Branco e Leiria. Colaboram ainda, com as demais autoridades, a GNR, a PSP, uma equipa de fuzileiros, a Cruz Vermelha e uma equipa da força especial de bombeiros. Em Vila Nova de Poiares, há equipas de reserva. Os concelhos mais afetados e que obrigam a esta intervenção são, sobretudo, Soure, Montemor-o-Velho e Coimbra. A Câmara de Coimbra solicitou hoje às populações localizadas entre Bencanta e Ameal, na margem esquerda junto ao rio Mondego, uma linha reta de oito quilómetros, que preparem evacuação, na sequência do mau tempo que tem atingido Portugal. “Informa-se que a Proteção Civil Municipal está a solicitar à população das povoações de Bencanta; Espadaneira; Pé de Cão; Casais do Campo; Carregais; Taveiro; Ribeira de Frades; Vila Pouca do Campo; e Ameal (indicativamente entre a Linha Ferroviária do Norte e o Rio Mondego) a acondicionar algum material, acautelar os seus bens e a preparar a evacuação”, refere uma nota de imprensa enviada à agência Lusa. Também a Câmara de Montemor-o-Velho declarou hoje “alerta máximo de risco de cheia” para as zonas baixas de Carapinheira, Montemor-o-Velho, Meãs do Campo, Tentúgal e Ereira, logo após a rotura de um dique no canal principal do Mondego. Fonte da autarquia disse à agência Lusa, por volta das 16:35, que o dique do rio Mondego, junto a Formoselha, “rebentou”.