Marta Freitas defende apoio a pessoas com deficiência e idosos durante o desconfinamento

Um grupo de deputadas do Partido Socialista à Assembleia da República, liderado pela madeirense Marta Freitas, deixou um alerta para a necessidade de haver medidas de apoio social às famílias com pessoas portadoras de deficiência e idosos, numa altura em que, face ao desconfinamento, se verifica o regresso ao trabalho. As parlamentares revelam que "há uma preocupação por parte das famílias relativamente ao apoio que será dado nos meses de verão e para o início do ano letivo, o que cria uma situação de desconforto perante a imprevisibilidade". Marta Freitas, Ana Maria Silva, Cristina Sousa, Susana Correia, Cristina Moreira, Joana Bento, Telma Guerreiro e Joaquina Matos, que integram o grupo de trabalho para a deficiência e terceira idade criado no âmbito da Comissão Parlamentar de Trabalho e Segurança Social, referem que as famílias terão de regressar à sua atividade laboral, mas para isso terão de ser dadas respostas de apoio social, onde possam deixar os seus familiares durante o período de atividade laboral, como antes da pandemia. Por isso, frisam que "será necessário trabalhar neste sentido, ou promover medidas excecionais para situações excecionais". Desde março que as deputadas têm vindo a reunir-se para debater as várias respostas nesta área. Neste âmbito, têm também acompanhado diversas associações e instituições de apoio e solidariedade social, analisando o impacto socioeconómico mediante as medidas excecionais da covid-19, implementadas e direcionadas para uma população alvo mais vulnerável.   Ao longo das reuniões mantidas, as deputadas têm vindo a discutir diversos temas, tais como a garantia de apoio e contacto com todas as instituições e o trabalho das instituições na relação com os utentes e famílias de forma continuada, garantido a segurança nos serviços prestados, sem perda de respostas direcionadas a estas pessoas. A reavaliação, reajustamento e atualização nos procedimentos de atribuição dos apoios sociais constituem outra preocupação das socialistas.

Marta Freitas defende apoio a pessoas com deficiência e idosos durante o desconfinamento
Um grupo de deputadas do Partido Socialista à Assembleia da República, liderado pela madeirense Marta Freitas, deixou um alerta para a necessidade de haver medidas de apoio social às famílias com pessoas portadoras de deficiência e idosos, numa altura em que, face ao desconfinamento, se verifica o regresso ao trabalho. As parlamentares revelam que "há uma preocupação por parte das famílias relativamente ao apoio que será dado nos meses de verão e para o início do ano letivo, o que cria uma situação de desconforto perante a imprevisibilidade". Marta Freitas, Ana Maria Silva, Cristina Sousa, Susana Correia, Cristina Moreira, Joana Bento, Telma Guerreiro e Joaquina Matos, que integram o grupo de trabalho para a deficiência e terceira idade criado no âmbito da Comissão Parlamentar de Trabalho e Segurança Social, referem que as famílias terão de regressar à sua atividade laboral, mas para isso terão de ser dadas respostas de apoio social, onde possam deixar os seus familiares durante o período de atividade laboral, como antes da pandemia. Por isso, frisam que "será necessário trabalhar neste sentido, ou promover medidas excecionais para situações excecionais". Desde março que as deputadas têm vindo a reunir-se para debater as várias respostas nesta área. Neste âmbito, têm também acompanhado diversas associações e instituições de apoio e solidariedade social, analisando o impacto socioeconómico mediante as medidas excecionais da covid-19, implementadas e direcionadas para uma população alvo mais vulnerável.   Ao longo das reuniões mantidas, as deputadas têm vindo a discutir diversos temas, tais como a garantia de apoio e contacto com todas as instituições e o trabalho das instituições na relação com os utentes e famílias de forma continuada, garantido a segurança nos serviços prestados, sem perda de respostas direcionadas a estas pessoas. A reavaliação, reajustamento e atualização nos procedimentos de atribuição dos apoios sociais constituem outra preocupação das socialistas.