Madeira ultrapassou a meta e contratou 467 novos enfermeiros para o Serviço de Saúde

O Serviço Regional de Saúde da Madeira contratou nos últimos quatro anos mais 467 enfermeiros, ultrapassando a meta a que o governo madeirense se havia proposto na última legislatura, afirmou hoje o secretário com a tutela da saúde. Pedro Ramos...

Madeira ultrapassou a meta e contratou 467 novos enfermeiros para o Serviço de Saúde
O Serviço Regional de Saúde da Madeira contratou nos últimos quatro anos mais 467 enfermeiros, ultrapassando a meta a que o governo madeirense se havia proposto na última legislatura, afirmou hoje o secretário com a tutela da saúde. Pedro Ramos falava na cerimónia de receção dos 67 novos enfermeiros do Serviço de Saúde da Madeira para a área hospitalar e dos cuidados de saúde primários, considerando que estes profissionais representam “um número importante que permite ultrapassar a meta dos 400 prometidos na última legislatura, dos 1.300 profissionais contratualizados pelo Serviço Regional de Saúde (SESRAM)” em várias áreas. O governante destacou o facto de estes enfermeiros terem “concorrido para o serviço público de saúde”, algo que a região “tem defendido com unhas e dentes”. “A vossa disponibilidade para virem trabalhar no SESARAM revela, e sentimos, que estamos a criar um serviço de saúde sólido, sério, responsável, honesto, competente e solidário”, sublinhou. O também médico salientou que este serviço tem como missão “tratar e cuidar de pessoas, o que é uma grande responsabilidade”, que tem de ser suportada pela disponibilidade de equipamentos, meios e tecnologias. Pedro Ramos realçou que o serviço tem registado um “progresso imenso” na área dos cuidados de saúde primários, hospitalares e paliativos, admitindo que “nem tudo é perfeito”. Relativamente aos grandes desafios referiu a “redução das listas de espera, acabar com as altas problemáticas, fazer uma contínua aposta nos cuidados primários, planificar e reorganizar de forma diferente, e os cuidados continuados darem a resposta necessária para o envelhecimento”. O governante disse que os próximos cinco anos serão de grandes desafios, colocados com o novo hospital, apontando que haverá “uma aposta numa nova governança clínica, um novo modelo clínico de serviços”, visto que a nova unidade tem “menos camas, tem outros objetivos”. Pedro Ramos enunciou que terá “menos internamentos”, havendo uma aposta no hospital de dia, na hospitalização domiciliária”, anunciando que esta é “ uma realidade que vai começar já este ano” a ser implementada. A aposta na cirurgia de ambulatório, uma maior concentração de recursos, vai permitir que o serviço “funcione melhor, tenha melhor gestão” e que os profissionais “além de serem mais rápidos e eficazes, sejam mais eficientes”, vincou. O secretário madeirense ainda enfatizou que nos próximos anos haverá uma aposta na “formação e diferenciação”, para que a investigação possa contribuir em três áreas consideradas fundamentais: conduções de trabalho dos profissionais, índices de satisfação dos utentes e sustentabilidade, eficiência e gestão do SRS. “Temos de fazer mais investimento na saúde”, sustentou, mencionando a situação das novas doenças e das terapêuticas inovadoras. O responsável notou o “crescimento assinalável que a saúde teve na região nos últimos 43 anos”, permitidos pelo processo autonómico, afirmando que a região “vai continuar a se desenvolver, porque a saúde é uma área de exigência da população, que é mais exigente e participativa das redes sociais”. O governante apelou aos 67 novos enfermeiros para que “sejam inovadores, empreendedores e participativos” na melhoria dos cuidados de saúde prestados na região.