Luís André Pereira Fialho, Marcello Angotti e Camila Marchioro vencem prémio Mário Quartin Graça

Luís André Pereira Fialho, Marcello Angotti e Camila Marchioro são os vencedores do Prémio Científico Mário Quartin Graça, uma parceria entre o Banco Santander e a Casa da América Latina, que celebra este ano a sua 10ª edição. De acordo com...

Luís André Pereira Fialho, Marcello Angotti e Camila Marchioro vencem prémio Mário Quartin Graça
Luís André Pereira Fialho, Marcello Angotti e Camila Marchioro são os vencedores do Prémio Científico Mário Quartin Graça, uma parceria entre o Banco Santander e a Casa da América Latina, que celebra este ano a sua 10ª edição. De acordo com nota de imprensa do Santander, Luís André Pereira Fialho, de nacionalidade portuguesa, venceu na categoria de Tecnologias e Ciências Naturais, com a tese "Conversão fotovoltaica com armazenamento de energia integrado em rede elétrica: modelação, simulação e experimentação", apresentada na Universidade de Évora. O júri considerou a qualidade e impacto do trabalho, que apresenta ideias e conceitos inovadores sobre microgrids e armazenamento elétrico, os quais podem dar um importante contributo para a generalização do uso da energia solar fotovoltaica. Marcello Angotti, de nacionalidade brasileira, destacou-se na categoria de Ciências Económicas e Empresariais com a tese "Full cost accounting e contabilidade dialógica aplicados para avaliação da sustentabilidade da indústria da extração mineral em Congonhas", realizada na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Neste caso, o júri destacou a qualidade e o caráter inovador e disruptivo do trabalho, que analisa os problemas da mineração através de uma abordagem inédita, onde a contabilidade dialoga com os atores impactados por esses problemas. Camila Marchioro, de nacionalidade brasileira, foi a vencedora da categoria de Ciências Sociais e Humanas, com o trabalho "Poesia do Indizível: Camilo Pessanha e Cecília Meireles em comparação", elaborado na Universidade Federal do Paraná. A tese chamou a atenção do júri pela sua qualidade, por conjugar a parte literária e filosófica, e por analisar as duas realidades: brasileira e portuguesa, com extensões à realidade oriental. O eixo do trabalho é "elucidar como alguns dos versos e poemas de Pessanha e Meireles dão corpo poético ao difícil empenho de caminhar pelos labirintos da própria mente", como refere o próprio autor". Ao vencerem as respetivas categorias, cada investigador recebe um prémio pecuniário de 5.000 euros. Esta foi a 10ª edição do Prémio Científico Mário Quartin Graça que, ao longo de uma década, tem promovido o mérito das teses de doutoramento, em especial, das que demonstram interesse para as Universidades de Portugal ou da América Latina, ou que resultam, na sua elaboração, da colaboração entre Universidades dos dois lados do Atlântico.