Leia as declarações após a cimeira PSD/CDS

“Pensar acima de qualquer interesse partidário”, foi uma declaração de Pedro Calado, comungada por Teófilo Cunha, no final da primeira reunião entre PSD e CDS. Demorou pouco menos de duas horas a primeira ronda da cimeira PSD / CDS, que visam...

Leia as declarações após a cimeira PSD/CDS
“Pensar acima de qualquer interesse partidário”, foi uma declaração de Pedro Calado, comungada por Teófilo Cunha, no final da primeira reunião entre PSD e CDS. Demorou pouco menos de duas horas a primeira ronda da cimeira PSD / CDS, que visam um acordo que confira maioria a esta coligação pós-eleições. Numa improvisada conferência de imprensa conjunta, Pedro Calado e Teófilo Cunha representaram os respetivos partidos, deixando notas de que o entendimento não será difícil de alcançar. Leia, de seguida, as declarações na íntegra.   PEDRO CALADO: “É importante traduzirmos e realçarmos que o PSD-M tem consciência daquilo que representou a votação no passado domingo. O PSD foi o partido mais votado, que é naturalmente convidado a formar governo. Entendemos também aquilo que foi expresso pelo número de deputados eleitos que terá que haver um acordo político entre duas forças políticas. Neste momento, o PSD que é convidado a formar governo, está em negociação com o CDS-PP. Estas negociações, as bases, as linhas orientadoras deste acordo estão definidas, estão sustentadas. Temos consciência que aquilo que temos de definir, e que irá ser definido nos próximos dias é, no fundo, aquilo que a população espera da nossa responsabilidade, uma responsabilidade governativa para os próximos quatro anos. Neste momento temos de pensar acima de qualquer interesse partidário, ou pessoal. Temos de pensar nos interesses da população, temos de agir de forma responsável, justificada e inteligente, e é isso que estamos a fazer. Penso que foram dados passos muito importantes, com muita seriedade, clareza e muito pragmatismo. E é isso que queremos transmitir, uma mensagem de confiança, de grande elevação, de grande responsabilidade, de sentido de estado e de sentido de responsabilidade social. A Madeira, e a sua população, está habituada a te ruma governação com estabilidade, social, política e económica, e é isso que estamos a traduzir e vamos traduzir nos próximos dias, neste trabalho que estamos já a fazer em conjunto. Da nossa parte, queremos agradecer a abertura que o CDS-PP tem manifestado nesta nossa união. Este acordo político responsável, sério, correto e que vai ao encontro daquilo que é o anseio da população madeirense e portossantense. Neste momento, foram definidas as linhas orientadoras de um documento que irá ser produzido e redigido em conjunto, está definido já que na próxima semana, no dia um de outubro [terça-feira] iremos nos sentar e darmos por concluído um documento de trabalho, que, naturalmente, depois irá ser apreciado e levado internamente a cada um dos partidos para termos a aprovação e termos o acolhimento por parte das estruturas partidárias de cada um dos partidos. Tem de ser legitimado, e depois daremos continuidade ao trabalho que iniciamos hoje”.   TEÓFILO CUNHA: “Hoje, iniciamos com o PSD uma proposta governativa para a Região Autónoma da Madeira. E o CDS, quem nos conhece, quando nós assumimos um compromisso, é para ser um compromisso estável e durador para toda a população da Madeira. É esse o nosso compromisso para este programa de governo e é isso que vamos fazer conjuntamente com o PSD. Não se falou em nomes, é tudo especulação, que anda a correr na rua e ainda é muito cedo para esse tipo de decisões ou de nomes, sejam eles quaisquer que sejam”.