Jaime Moniz promove prémio ‘Infante D. Henrique’

A Escola Secundária Jaime Moniz informa em comunicado que está a promover, junto dos seus alunos, a divulgação do Prémio Infante D. Henrique. Este prémio, de dimensão internacional, destina-se a jovens entre os 13 e os 24 anos (aos 25 têm que...

Jaime Moniz promove prémio ‘Infante D. Henrique’
A Escola Secundária Jaime Moniz informa em comunicado que está a promover, junto dos seus alunos, a divulgação do Prémio Infante D. Henrique. Este prémio, de dimensão internacional, destina-se a jovens entre os 13 e os 24 anos (aos 25 têm que estar concluídas todas as secções).  Na mesma nota lê-se que o Prémio Infante Dom Henrique é a versão portuguesa de “The Duke of Edinburgh’s Award” fundado na Grã-Bretanha em 1956, pelo Duque de Edimburgo, seu presidente. Neste Prémio já participaram mais de nove milhões de jovens em 140 países.  “Em Portugal o Prémio foi fundado no Porto em 1988, pelo Duque de Bragança que, para além de membro fundador é Presidente de Honra. Actualmente, encontra-se em funcionamento de Norte a Sul do País, assim como na Ilha da Madeira”, acrescenta. Informa ainda que enquanto o título do Prémio pode variar, a filosofia e os princípios básicos de funcionamento são os mesmos. O Prémio é um complemento à educação académica e os benefícios para os jovens são o reconhecimento pelas universidades e empresas, entre outros. Atualmente é considerado um dos bons investimentos na formação dos jovens ao acrescentar valor aos seus curriculum vitae. O Prémio é um programa nacional e internacional de desenvolvimento pessoal e social de actividades voluntárias e não competitivas que acrescenta valor ao CV dos jovens pela aquisição de novas competências. "Assim, resulta numa iniciativa importante para enfrentar os desafios da vida profissional futura com qualidade", acrescenta a instituição.  "Dirigido a todos os jovens 13 dos aos 24 anos de idade, encoraja-os a desenvolverem-se como cidadãos activos, participativos, dando uma contribuição positiva à sociedade, e prepara-os com experiências de vida para ser capaz de marcar a diferença, em si próprios, nas suas comunidades e no mundo", frisa.  Lê-se ainda que através do Prémio os jovens desenvolvem características essenciais em todo o seu percurso de vida: auto-confiança, auto-estima, responsabilidade, cidadania activa, liderança, trabalho em equipa, motivação, capacidade de comunicação e de aprendizagem. O Prémio tem três níveis: bronze, prata e ouro, com a duração de 6, 12 e 18 meses, respetivamente, e, em cada nível, os jovens têm que realizar quatro secções: recreação física, talentos, serviço à comunidade (voluntariado) e jornadas de aventura. No nível ouro, têm ainda o projeto residencial. Os jovens não têm que realizar todos os níveis e podem entrar diretamente para a prata ou para o ouro sem realizarem os anteriores. No que diz respeito às datas de implementação, têm a ver com a data de inscrição dos jovens. A plataforma, na data da inscrição, dá automaticamente os prazos de conclusão de cada nível.    Dados sobre o Prémio   O Prémio Infante D. Henrique - “Proud to be The Duke of Edinburgh’s International Award in Portugal“ é um programa de Educação não formal, um verdadeiro desafio do início ao fim.   "Não importa quem é ou de onde vem. Só necessita de ter mais de 13 anos até aos 24 anos, ter vontade de perceber que há mais na vida do que ficar sentado num sofá a observar a vida passar por si", refere.     Existem três níveis que o jovem pode fazer e, quando concluídos com êxito, recebe o Prémio Infante D. Henrique “The Duke of Edinburgh’s International Award”, de acordo com o nível que fez: Bronze, Prata e Ouro.   A principal diferença entre os três níveis são: o tempo mínimo necessário para concluir cada nível, o grau de dificuldade e a idade mínima para começar. O participante irá apoiar pessoas ou a comunidade, fará um desporto, desenvolverá novos talentos, participará numa aventura e ainda participará num Projeto Residencial (este último somente para Ouro). "A melhor parte é: o participante poder escolher o que quer fazer!", frisa a ESJM.  "O programa de cada participante tem muitas atividades e pelo caminho terá novas experiências, fará novos amigos e desenvolverá talentos que o acompanharão durante a sua vida", informa.  Dependendo da idade o participante pode optar por fazer qualquer nível, desde que seja elegível, mas a maior parte dos jovens prefere começar por Bronze. Existem idades mínimas para cada nível, pelo que faz mais sentido começar no primeiro nível e subir gradualmente para o mais alto em vez de ir diretamente para o último. "Não se esqueça que tem até aos 25 anos para completar qualquer um dos níveis e receber o Prémio", alerta. A tabela que se segue mostra as diferentes idades e os requisitos de tempo para cada nível e secção.     Idade mínima para começar Talentos Recreação Física Serviço Voluntario Mais Jornada de Aventura Bronze Mais de 13 anos 3 3 3 + 3 Meses numa secção à escolha  2 Dias + 1 noite  Prata 15 6 6 6 + 6 Meses numa secção à escolha 3 Dias + 2 noites Ouro 16 12 12 12 + 6 Meses numa secção à escolha 4 Dias + 3 noites Mais um requisito adicional para ouro: Projecto Residencial / 5 dias + 4 noites O participante recebe um Prémio ao concluir um programa pessoal de atividades, composto por quatro secções (cinco no caso do nível Ouro). As secções são: Voluntariado: inspirar os jovens a fazer a diferença nas suas comunidades ou a alguém da comunidade e desenvolver compaixão, ao prestar serviço a outros. Ajudar alguém da comunidade ou ambiente, etc. Act. Física: inspirar os jovens a alcançar maior aptidão física e um estilo de vida saudável, através da participação e melhoria na atividade física. Ginásio, ténis, basquetebol, etc. Talentos: Inspirar os jovens a desenvolverem competências práticas e sociais e interesses pessoais. Tocar um instrumento musical, aprender uma língua estrangeira ou programação, etc. Aventura: Inspirar os jovens a desenvolverem iniciativa e espírito de aventura e descoberta, através de planeamento, treino para, e completar uma jornada de aventura como membro de uma equipa.  Projecto Residencial: Inspirar os participantes a participar num projeto com objetivos definidos, num período de tempo intenso, com pessoas que não conhecem, geralmente de diferentes origens e permitir que apareçam visões alternativas para os desafios que irão enfrentar. A secção residencial aumenta as suas experiências, capacitando-os a fazer a diferença num ambiente residencial, em equipa. Ficar e trabalhar fora de casa como parte de uma equipa. O tempo que o participante precisa de dedicar ao Prémio depende do nível em que está: Nível Bronze - mínimo 6 meses para concluir. Nível Prata - mínimo 12 meses para concluir. Nível Ouro - 18 meses para concluir. Acautela que os participantes necessitam de mostrar empenho e atividade regular. Durante os períodos mínimos, pelo menos uma hora por semana deve ser dedicada a cada atividade. Não é possível atingir um Prémio num sopro de entusiasmo, durante um fim-de-semana ou férias. "Lembre-se, todas as atividades do Prémio Infante D. Henrique têm que ser completadas até aos 25 anos", refere a escola.  "Quando tiver terminado o tempo mínimo para completar um nível do Prémio, temos a certeza que os participantes se divertiram e vão querer continuar as atividades após a conclusão do programa", acrescenta.    Porque fazer o Prémio? "Porque, desde o primeiro ao último dia, é um verdadeiro desafio e cada secção de atividades pessoais oferece alguma coisa diferente.  O participante desfrutará de experiências novas e inesquecíveis, descobrirá talentos que nunca pensou que tinha, conhecerá novas pessoas e, no final, aceita um desafio. Além disso, fará coisas de que gosta e despertará para outras. É uma nova descoberta!", declara.  "O nosso objetivo é criar um ambiente de aprendizagem seguro, feliz e estimulante, dentro do qual todos os membros da nossa comunidade podem atingir o seu potencial e desenvolver um compromisso com a aprendizagem ao longo da vida", conclui.