Homem acusado de roubos e agressões à PSP em Câmara de Lobos será julgado em março

Conforme poderá ler na edição impressa de hoje do JM, saiba sobre o homem de 31 anos que é acusado de roubo, violência depois de subtração, coação sobre funcionário e injúria agravada e que agora vai responder em tribunal, já no próximo mês,...

Homem acusado de roubos e agressões à PSP em Câmara de Lobos será julgado em março
Conforme poderá ler na edição impressa de hoje do JM, saiba sobre o homem de 31 anos que é acusado de roubo, violência depois de subtração, coação sobre funcionário e injúria agravada e que agora vai responder em tribunal, já no próximo mês, quando tiver início o julgamento no Juízo Central Criminal do Tribunal Judicial da Comarca da Madeira. Os factos remontam a junho e julho do ano passado, quando o arguido protagonizou dois roubos, antes de ser identificado e detido pelas autoridades, após uma perseguição apeada em Câmara de Lobos. Na noite de 30 de junho de 2019, na zona da Vereda do Ribeiro Real, o acusado surpreendeu uma mulher que caminhava sozinha, apropriando-se, com violência, de uma carteira com documentos e 25 euros. Surgindo por trás da vítima, de acordo com a acusação do Ministério Público, o arguido colocou-lhe um braço à volta do pescoço, de forma a imobiliza-la, ao mesmo tempo que exigia a carteira. De seguida, empurrou a ofendida para o chão, provocando-lhe escoriações e hematomas, antes de colocar-se em fuga. Dois dias mais tarde, a 2 de julho, o mesmo homem aproximou-se de uma outra mulher que se encontrava sentada, com a mala pousada ao seu lado. O arguido terá então agarrado na mala, e retirado uma carteira com documentos e 570 euros em notas, colocando-se em fuga. Quando a ofendida se apercebeu, foi no encalce do arguido para tentar recuperar os seus pertences, sendo confrontada com ameaças, “em tom sério e intimidatório”. Depois da mulher ter começado a gritar, o homem terá largado a bolsa e a carteira, e agarrado numa pedra da calçada que utilizou para arremessar na direção da vítima, enquanto prosseguia com as ameaças. A ofendida chamou então a Polícia de Segurança Pública (PSP), que se deslocou ao Complexo Habitacional da Torre, onde se encontrava o suspeito. Ao avistar os agentes junto da mulher que o havia denunciado, este terá então começado a atirar pedras e garrafas de vidro, enquanto gritava impropérios e ameaças contra a vida dos polícias. A situação obrigou ao recuo dos agentes e terá proporcionado oportunidade para o ladrão escapar. Mais tarde, porém, a mesma patrulha da PSP viria a ser informada de diversas chamadas para o posto local, a dar conta de que o arguido se encontrava junto à estrada de acesso ao Pico da Torre, com uma barra de ferro, a abordar turistas para os assaltar. Quando se deslocaram ao local, o indivíduo colocou-se novamente em fuga, sendo perseguido a pé pelos polícias, desrespeitando as vozes de detenção. Durante a perseguição, o arguido chegou a ser derrubado por um dos agentes, mas conseguiu libertar-se, acabando por agredir o outro com um pontapé no externo, antes de ser mais tarde intercetado, junto à saída da via rápida, já quando se encontrava novamente munido de duas barras de ferro. O homem acusado dos quatro crimes vai a julgamento no dia 17 do próximo mês, com a sessão agendada para a tarde, no Juízo Central Criminal do Tribunal Judicial da Comarca da Madeira, no edifício 2000. Descubra mais sobre este assunto na pág. 14 da edição impressa deste sábado do seu JM.