Governo da Madeira quer recuperar programas de apoio ao comércio tradicional

 O Governo da Madeira quer voltar a ter apoios de programas comunitários para fomentar a dinamização do comércio tradicional, disse hoje o secretário regional da Economia, Rui Barreto. "No próximo quadro comunitário de apoio nós gostaríamos...

Governo da Madeira quer recuperar programas de apoio ao comércio tradicional
 O Governo da Madeira quer voltar a ter apoios de programas comunitários para fomentar a dinamização do comércio tradicional, disse hoje o secretário regional da Economia, Rui Barreto. "No próximo quadro comunitário de apoio nós gostaríamos que voltasse a haver programas específicos para apoio ao comércio tradicional, para que as pessoas possam, de facto, voltar à cidade, à rua, para criar uma dinâmica importante para este setor", disse Rui Barreto durante a apresentação de uma mascote criada especificamente para o comércio, na cidade do Funchal. Uma iniciativa desenvolvida pela Associação de Comércio e Indústria do Funchal, em parceria com a Secretaria Regional da Educação, desafiou alunos do ensino secundário e do ensino profissional para a conceção de uma mascote que simbolizasse o comércio em contexto urbano. Um aluno da escola secundária Francisco Franco foi quem criou a mascote vencedora, a “Balancinha” (uma balança), que agora vai andar pelas principais ruas de comércio da cidade. Rui Barreto aproveitou a ocasião para reafirmar a necessidade de encontrar apoios nesta área. "Nós queremos trabalhar com os nossos clientes. E os nossos clientes são os investidores e os empresários e, desde logo, em concertação com a ACIF, ouvindo-os, porque eles mais do que ninguém é que sabem do comércio e das suas necessidades. Cabe à secretaria da Economia encontrar os instrumentos para que se possa modernizar, requalificar e dar um novo fomento e uma nova pujança ao comércio urbano", sublinhou. A Madeira, indicou o governante, tem atualmente "a mais baixa taxa de Imposto sobre o Rendimento Coletivo para os primeiros 15 mil euros de lucro tributável". No próximo ano, o Governo "quer avançar ainda mais um pouco" para apoiar as pequenas empresas.