Gabinete de Apoio ao Investidor da Diáspora já registou 500 milhões de euros em projetos

O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, foi o segundo interveniente no II Encontro Intercalar da Diáspora, que está a decorrer, hoje, no hotel Savoy Palace e que se prolonga até amanhã. Na sua intervenção, disse...

Gabinete de Apoio ao Investidor da Diáspora  já registou 500 milhões de euros em projetos
O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, foi o segundo interveniente no II Encontro Intercalar da Diáspora, que está a decorrer, hoje, no hotel Savoy Palace e que se prolonga até amanhã. Na sua intervenção, disse que o Gabinete de Apoio ao Investimento da Diáspora assinalou, desde a sua criação, um investimento de 500 milhões de euros. Ocasião que aproveitou para elogiar não só a diáspora madeirense como a diáspora no seu todo nacional. José Luís Carneiro deixou breves notas mas começou por sublinhar a importância do encontro que hoje decorre no Funchal.  "São os portugueses em concreto que, ao longo da História de Portugal, permitem afirmar a língua, a economia...", sublinhu o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas. O governante nacional lembrou dados oficiais do Instituto Nacional de Estatística, os quais ilustram a força como Portugal se insere no mundo. As comunidades estão disseminadas por 178 portugueses no mundo. "Não há hoje praticamente países, onde não tenhamos portugueses", referiu, destacando a importância dos nossos investidores na África do Sul e na Austrália. "Esta diáspora, esta inserção na vida global é uma força que, diariamente, é acompanhada por uma rede diplomática com representação em mais de 140 países", afirmou. José Luís Carneiro defendeu uma nova abordam à função das comunidades portuguesas, como seja o exemplo as novas leis eleitorais que abriram oportunidade de paritcipação eleitoral a mais de um mulhão de portugueses. O terceiro orador falou ainda da face do contributo económico da diáspora portuguesa. Desde a década de cinquenta, que a saída de mão de obra significava a entrada financeira. Foi assim que isto foi sendo visto. Agora, é preciso avaliar outras dimensões do contributo da diáspora, sem ser a nível financeiro. Há uma dimensão que é necessário trabalhar, conforme defendeu. E essa foi a a razão pela qual se avançou com o Encontro dos Investidores da Diáspora. Os encontos intercalares, promovidos pelas regiões autónomas, são de extrema importância, segundo disse, e têm que ler outra leitura política. José Luís Carneiro também se referiu aos emigrantes na Venezuela,os quais têm passado por situações muito dificéis. Não esqueceu os que vivem a preocupação do 'Brexit', mas deixou uma palavra de esperança. A sala onde decorrem os trabalhos do II Encontro Intercalar da Diáspora está cheia e até há algumas pessoas de pé.