Emigrante madeirense encontrado morto no Curaçau

Jaime Spínola de Freitas é madeirense vivia na ilha de Curaçau, era um grande empresário do ramo dos hipermercados e já tinha sido homenageado pelo governo local diversas vezes. Faleceu em casa vítima de um ataque cardíaco. Conforme o JM apurou, faleceu, esta quarta-feira, Jaime Spínola de Freitas, conhecido emigrante madeirense que vivia na ilha de Curaçau. Faleceu vítima de um fulminante ataque cardíaco e foi encontrado em casa, sentado em frente à televisão. O emigrante foi abertura dos telejornais do país e manchetes de jornais, pois era o maior empresário do ramo de hipermercados e já tinha sido diversas vezes homenageado pelo governo local. O madeirense que se destacou sobretudo pelos seus hipermercados “Freitas Jumbo Supermercado”, morreu sozinho em casa a ver televisão vítima de um fulminante ataque cardíaco e “foi encontrado de manhã em casa, sentado, e com a televisão ligada”. Jaime de Freitas estava no Curaçau há muitos anos, e criou um império na ilha, nos anos 90, onde contava no seu espólio 5 supermercados, uma estação de rádio, uma fábrica de açúcar e um Centro Comercial que se chamava Colon. Segundo informação recebida pelo JM, o homem perdeu grande parte do seu império, ao incorrer em vários atrasos no pagamento de um empréstimo que tinha contraído. Segundo fonte contactada pelo JM, o homem terá fracassado nos seus negócios, não conseguiu pagar o empréstimo que tinha contraído e desde aí, ficou completamente isolado e a comunidade portuguesa emigrada no Curaçau nunca mais voltou a ter notícias sobre o seu paradeiro. A mesma fonte afirmou ao JM que o madeirense que era um grande empresário, estava rodeado de pessoas que não eram de confiança e acabou por cair no fracasso.

Jaime Spínola de Freitas é madeirense vivia na ilha de Curaçau, era um grande empresário do ramo dos hipermercados e já tinha sido homenageado pelo governo local diversas vezes. Faleceu em casa vítima de um ataque cardíaco. Conforme o JM apurou, faleceu, esta quarta-feira, Jaime Spínola de Freitas, conhecido emigrante madeirense que vivia na ilha de Curaçau. Faleceu vítima de um fulminante ataque cardíaco e foi encontrado em casa, sentado em frente à televisão. O emigrante foi abertura dos telejornais do país e manchetes de jornais, pois era o maior empresário do ramo de hipermercados e já tinha sido diversas vezes homenageado pelo governo local. O madeirense que se destacou sobretudo pelos seus hipermercados “Freitas Jumbo Supermercado”, morreu sozinho em casa a ver televisão vítima de um fulminante ataque cardíaco e “foi encontrado de manhã em casa, sentado, e com a televisão ligada”. Jaime de Freitas estava no Curaçau há muitos anos, e criou um império na ilha, nos anos 90, onde contava no seu espólio 5 supermercados, uma estação de rádio, uma fábrica de açúcar e um Centro Comercial que se chamava Colon. Segundo informação recebida pelo JM, o homem perdeu grande parte do seu império, ao incorrer em vários atrasos no pagamento de um empréstimo que tinha contraído. Segundo fonte contactada pelo JM, o homem terá fracassado nos seus negócios, não conseguiu pagar o empréstimo que tinha contraído e desde aí, ficou completamente isolado e a comunidade portuguesa emigrada no Curaçau nunca mais voltou a ter notícias sobre o seu paradeiro. A mesma fonte afirmou ao JM que o madeirense que era um grande empresário, estava rodeado de pessoas que não eram de confiança e acabou por cair no fracasso.