“É tempo de acabar com esta paródia nacional”, diz Brício Araújo sobre a TAP

No arranque dos trabalhos no plenário madeirense, Brício Araújo efetuou um raio-X da TAP, com duras críticas a tudo aquilo que constituiu o processo de reversão da companhia aérea. “Olha para a Madeira apenas na perspetiva empresarial, não cumpriu as suas obrigações para com a Madeira”, denunciou o deputado do PSD, para quem a estratégia está à vista com a empresa a “apresentar prejuízos nos últimos anos na ordem dos 200 milhões de euros”. Assim, “é tempo de por fim a esta paródia nacional, é tempo de virar está página negra em nome de uma gestão rigorosa” sendo que o Estado não pode ser chamado apenas para injetar dinheiro. Brício Araújo criticou ainda a divisão de lucros “para apenas 180 dos cerca de 10.000 trabalhadores”. A “Madeira não pode continuar a ser apenas uma presa comercial da TAP”, disse também. Em causa estão os 1.200 milhões de euros injetados na companhia aérea de bandeira portuguesa, “o dobro do investido no sistema nacional de saúde", sublinhou o deputado.

“É tempo de acabar com esta paródia nacional”, diz Brício Araújo sobre a TAP
No arranque dos trabalhos no plenário madeirense, Brício Araújo efetuou um raio-X da TAP, com duras críticas a tudo aquilo que constituiu o processo de reversão da companhia aérea. “Olha para a Madeira apenas na perspetiva empresarial, não cumpriu as suas obrigações para com a Madeira”, denunciou o deputado do PSD, para quem a estratégia está à vista com a empresa a “apresentar prejuízos nos últimos anos na ordem dos 200 milhões de euros”. Assim, “é tempo de por fim a esta paródia nacional, é tempo de virar está página negra em nome de uma gestão rigorosa” sendo que o Estado não pode ser chamado apenas para injetar dinheiro. Brício Araújo criticou ainda a divisão de lucros “para apenas 180 dos cerca de 10.000 trabalhadores”. A “Madeira não pode continuar a ser apenas uma presa comercial da TAP”, disse também. Em causa estão os 1.200 milhões de euros injetados na companhia aérea de bandeira portuguesa, “o dobro do investido no sistema nacional de saúde", sublinhou o deputado.