Detenções em Moscovo "violam" obrigações internacionais da Rússia - Alemanha

O Governo alemão considerou hoje que a Rússia "violou" as suas “obrigações internacionais" para com "eleições livres e justas" por causa da detenção, no sábado, de mais de 800 pessoas após manifestações em Moscovo. O executivo de Berlim considerou,...

Detenções em Moscovo "violam" obrigações internacionais da Rússia - Alemanha
O Governo alemão considerou hoje que a Rússia "violou" as suas “obrigações internacionais" para com "eleições livres e justas" por causa da detenção, no sábado, de mais de 800 pessoas após manifestações em Moscovo. O executivo de Berlim considerou, em comunicado, que as detenções foram "desproporcionais, tendo em conta a natureza pacífica das manifestações contra a exclusão de candidatos independentes" das eleições municipais de Moscovo, marcadas para setembro. O Governo alemão condenou as "ingerências repetidas no direito às manifestações pacíficas e à liberdade de expressão", considerando que "violam as obrigações internacionais da Rússia e colocam fortemente a questão do direito a eleições livres e justas". Por isso, apelou à Rússia para que "proteja eficazmente os direitos fundamentais dos seus cidadãos" e pediu a "libertação imediata de todos os manifestantes pacíficos". Na segunda-feira, Berlim tinha já pedido a Moscovo a libertação de 1.400 manifestantes detidos durante as manifestações do fim de semana anterior. De acordo com a organização não-governamental OVD-Info, especializada no acompanhamento de detidos, 828 pessoas foram detidas durante a manifestação deste sábado em Moscovo. A manifestação não autorizada realizou-se sem lideranças depois de a quase totalidade dos seus organizadores terem sido detidos em manifestações e dias anteriores. As autoridades russas aumentaram a pressão sobre a oposição ao avançarem com uma investigação por branqueamento de capitais contra a organização do opositor Alexei Navalny, o Fundo de Luta contra a Corrupção. Navalny cumpre atualmente uma pena de 30 dias de cadeia.