Covid-19: Quase 400 mortos e mais de 3.600 infetados em Espanha nas últimas 24 horas

A Espanha registou nas últimas 24 horas 394 mortos com o novo coronavírus e um aumento de 3.646 no número de infetados, de acordo com a atualização diária feita pelas autoridades de saúde do país. Segundo os números do Ministério da Saúde espanhol, desde o início da pandemia, o país teve um total de 28.572 casos da pandemia da covid-19, dos quais 1.720 morreram e 2.125 foram curados. A região mais atingida pela covid-19 é a de Madrid, com 9.702 infetados e 1.021 mortos, seguida pela da Catalunha (4.704 e 191), a do País Basco (2.097 e 97) e a de Castela-Mancha (1.819 e 112). Comparados com os dados comunicados no sábado, de sublinhar uma diminuição de 1.300 no número de novos infetados e um aumento de 70 no de mortos. Na totalidade do país, há 1.785 pessoas em unidades de cuidados intensivos, mais 173 do que no sábado. Entre as comunidades autónomas que fazem fronteira com Portugal, a da Galiza teve até agora 915 casos e 12 mortos, a de Castela e Leão 1.744 e 74, respetivamente, a Estremadura 384 e 14, e a Andaluzia 1.725 e 47. A Espanha é o terceiro país com mais casos da covid-19, a seguir à China e à Itália e depois de ter ultrapassado o Irão em número de infetados. O Governo espanhol decidiu prolongar por mais 15 dias, a partir do próximo sábado, 28 de março, o atual “estado de emergência” decretado em 14 de março último que inclui medidas como a proibição de todos os cidadãos de andarem na rua, a não ser que seja para irem trabalhar, comprar comida ou à farmácia. O executivo vai assim pedir autorização ao parlamento para prorrogar a situação excecional em que o país vive, comunicou hoje o primeiro-ministro, Pedro Sánchez, numa videoconferência com os presidentes das comunidades autónomas do país. A proposta de prolongar a "estado de emergência" não deverá ter qualquer problema em ser aprovada pelo Congresso dos Deputados (câmara baixa do parlamento espanhol), depois de todos os principais partidos de direita espanhóis, na oposição, já terem manifestado que estão ao lado do Governo na luta contra o novo coronavírus. Numa mensagem televisiva ao país no sábado à noite, o primeiro-ministro espanhol fez o balanço de uma semana com as medidas excecionais em vigor, alertando os espanhóis para o aumento das mortes nos próximos dias, mas defendendo que "mais cedo do que tarde" o país iria vencer a covid-19. Pedro Sánchez disse que, "infelizmente", os casos diagnosticados e o número de mortes vão aumentar nos próximos dias, que serão "muito difíceis", apelando a toda a população para "ficar em casa". A Espanha é o terceiro país com mais casos da covid-19, a seguir à China e à Itália e depois de ter ultrapassado o Irão em número de infetados. A pandemia da covid-19 já provocou 12.895 mortos e 300.097 pessoas estão infetadas em 169 países e territórios.

Covid-19: Quase 400 mortos e mais de 3.600 infetados em Espanha nas últimas 24 horas
A Espanha registou nas últimas 24 horas 394 mortos com o novo coronavírus e um aumento de 3.646 no número de infetados, de acordo com a atualização diária feita pelas autoridades de saúde do país. Segundo os números do Ministério da Saúde espanhol, desde o início da pandemia, o país teve um total de 28.572 casos da pandemia da covid-19, dos quais 1.720 morreram e 2.125 foram curados. A região mais atingida pela covid-19 é a de Madrid, com 9.702 infetados e 1.021 mortos, seguida pela da Catalunha (4.704 e 191), a do País Basco (2.097 e 97) e a de Castela-Mancha (1.819 e 112). Comparados com os dados comunicados no sábado, de sublinhar uma diminuição de 1.300 no número de novos infetados e um aumento de 70 no de mortos. Na totalidade do país, há 1.785 pessoas em unidades de cuidados intensivos, mais 173 do que no sábado. Entre as comunidades autónomas que fazem fronteira com Portugal, a da Galiza teve até agora 915 casos e 12 mortos, a de Castela e Leão 1.744 e 74, respetivamente, a Estremadura 384 e 14, e a Andaluzia 1.725 e 47. A Espanha é o terceiro país com mais casos da covid-19, a seguir à China e à Itália e depois de ter ultrapassado o Irão em número de infetados. O Governo espanhol decidiu prolongar por mais 15 dias, a partir do próximo sábado, 28 de março, o atual “estado de emergência” decretado em 14 de março último que inclui medidas como a proibição de todos os cidadãos de andarem na rua, a não ser que seja para irem trabalhar, comprar comida ou à farmácia. O executivo vai assim pedir autorização ao parlamento para prorrogar a situação excecional em que o país vive, comunicou hoje o primeiro-ministro, Pedro Sánchez, numa videoconferência com os presidentes das comunidades autónomas do país. A proposta de prolongar a "estado de emergência" não deverá ter qualquer problema em ser aprovada pelo Congresso dos Deputados (câmara baixa do parlamento espanhol), depois de todos os principais partidos de direita espanhóis, na oposição, já terem manifestado que estão ao lado do Governo na luta contra o novo coronavírus. Numa mensagem televisiva ao país no sábado à noite, o primeiro-ministro espanhol fez o balanço de uma semana com as medidas excecionais em vigor, alertando os espanhóis para o aumento das mortes nos próximos dias, mas defendendo que "mais cedo do que tarde" o país iria vencer a covid-19. Pedro Sánchez disse que, "infelizmente", os casos diagnosticados e o número de mortes vão aumentar nos próximos dias, que serão "muito difíceis", apelando a toda a população para "ficar em casa". A Espanha é o terceiro país com mais casos da covid-19, a seguir à China e à Itália e depois de ter ultrapassado o Irão em número de infetados. A pandemia da covid-19 já provocou 12.895 mortos e 300.097 pessoas estão infetadas em 169 países e territórios.