Covid-19: Peregrinos em Meca proibidos de tocar ou beijar a Caaba

Os muçulmanos que vão participar na peregrinação a Meca não poderão tocar ou beijar a Caaba nem a “pedra negra”, que estão na Grande Mesquita, local considerado como um dos mais sagrados pelo Islão, informaram as autoridades sauditas. Além de evitar tocar ou beijar a Caaba - uma construção em forma de cubo que tem incrustada a "pedra negra" - que os muçulmanos consideram um pedaço retirado do paraíso -, os peregrinos encontrarão cercas e barreiras de segurança, de acordo com a agência de notícias SPA. Com essas medidas, o Centro Saudita de Controlo e Prevenção de Doenças tentará impedir que as pessoas se aproximem do local e mantenham uma distância de segurança de pelo menos um metro e meio enquanto circulam ao redor do cubo. Também haverá postos de controlo em todas as entradas de Meca, incluindo nas paragens de autocarros e no pátio da mesquita, para medir a temperatura de todos os fiéis, que também precisam usar máscara durante o ritual. Os "casos suspeitos" de covid-19 devem passar por uma avaliação médica antes que possam fazer a peregrinação, embora possam fazê-lo em grupos especiais. As autoridades também permitirão orações em grupo, sob rigorosas medidas preventivas, mas removerão todos os tapetes da Grande Mesquita de Meca para que cada fiel use o seu próprio tapete. O governo da Arábia Saudita anunciou em 22 de junho que este ano apenas um número limitado de residentes do país poderá fazer a peregrinação a Meca, para que "o ritual seja seguro" e "cumpra as medidas preventivas", pelo que os estrangeiros não poderão viajar para o país. As autoridades sauditas estimam em "milhares" o número de peregrinos que irão a Meca para o "haje" - que é peregrinação a Meca, considerada como um dos cinco pilares do islamismo -, em comparação com quase 2,5 milhões que o fizeram no ano passado. A Arábia Saudita tem mais de 209 mil casos registados e ainda mais de 1.900 óbitos causados pela doença covid-19, provocada pelo novo coronavírus. A pandemia de covid-19 já provocou mais de 531 mil mortos e infetou mais de 11,3 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP. A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Covid-19: Peregrinos em Meca proibidos de tocar ou beijar a Caaba
Os muçulmanos que vão participar na peregrinação a Meca não poderão tocar ou beijar a Caaba nem a “pedra negra”, que estão na Grande Mesquita, local considerado como um dos mais sagrados pelo Islão, informaram as autoridades sauditas. Além de evitar tocar ou beijar a Caaba - uma construção em forma de cubo que tem incrustada a "pedra negra" - que os muçulmanos consideram um pedaço retirado do paraíso -, os peregrinos encontrarão cercas e barreiras de segurança, de acordo com a agência de notícias SPA. Com essas medidas, o Centro Saudita de Controlo e Prevenção de Doenças tentará impedir que as pessoas se aproximem do local e mantenham uma distância de segurança de pelo menos um metro e meio enquanto circulam ao redor do cubo. Também haverá postos de controlo em todas as entradas de Meca, incluindo nas paragens de autocarros e no pátio da mesquita, para medir a temperatura de todos os fiéis, que também precisam usar máscara durante o ritual. Os "casos suspeitos" de covid-19 devem passar por uma avaliação médica antes que possam fazer a peregrinação, embora possam fazê-lo em grupos especiais. As autoridades também permitirão orações em grupo, sob rigorosas medidas preventivas, mas removerão todos os tapetes da Grande Mesquita de Meca para que cada fiel use o seu próprio tapete. O governo da Arábia Saudita anunciou em 22 de junho que este ano apenas um número limitado de residentes do país poderá fazer a peregrinação a Meca, para que "o ritual seja seguro" e "cumpra as medidas preventivas", pelo que os estrangeiros não poderão viajar para o país. As autoridades sauditas estimam em "milhares" o número de peregrinos que irão a Meca para o "haje" - que é peregrinação a Meca, considerada como um dos cinco pilares do islamismo -, em comparação com quase 2,5 milhões que o fizeram no ano passado. A Arábia Saudita tem mais de 209 mil casos registados e ainda mais de 1.900 óbitos causados pela doença covid-19, provocada pelo novo coronavírus. A pandemia de covid-19 já provocou mais de 531 mil mortos e infetou mais de 11,3 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP. A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.