Covid-19 ‘matou’ trajetória de crescimento do Turismo

Depois das falências das companhias aéreas, dos problemas no aeroporto e da falta de ligações, janeiro e fevereiro deste ano trouxeram boas noticias: o turismo estava a crescer novamente. Mas esta trajetória foi interrompida pela chegada do novo coronavírus, uma ameaça nunca antes vista. Recuando ao tempo anterior ao isolamento social, as primeiras estimativas, divulgadas pela Direção Regional da Estatística da Madeira (DREM), relativas ao primeiro mês deste ano apontavam para um acréscimo de 2,5% no total de dormidas no alojamento turístico, em comparação com o mês homólogo. Em termos absolutos, a Madeira registou 539,9 milhares de dormidas em janeiro. E o crescimento manteve-se no mês seguinte. Os indicadores de fevereiro deste ano mostravam um acréscimo no sector do alojamento turístico regional, com variações homólogas de +8,4% nas dormidas, +8,1% nos proveitos totais e +9,4% nos proveitos de aposento. O total de dormidas do alojamento turístico no mês em referência (considerando a totalidade do alojamento local) rondou os 586,8 milhares enquanto os proveitos totais e de aposento atingiram os 26,6 e 17,4 milhões de euros, respetivamente. Com o tremendo impacto do novo coronavírus, tão cedo o setor turístico terá notícias tão positivas, centrando-se agora todas as atenções nas estatísticas do próximo mês. “É de sublinhar que em fevereiro, os efeitos da pandemia do COVID-19 não eram significativos, acentuando-se assim a tendência positiva trazida de janeiro e que interrompeu uma sequência de 9 meses de redução nas dormidas. Contudo, na próxima divulgação, que respeitará ao mês de março, os dados a apresentar já irão refletir as consequências da pandemia no sector do alojamento turístico coletivo regional”, avisa DREM.

Covid-19 ‘matou’ trajetória de crescimento do Turismo
Depois das falências das companhias aéreas, dos problemas no aeroporto e da falta de ligações, janeiro e fevereiro deste ano trouxeram boas noticias: o turismo estava a crescer novamente. Mas esta trajetória foi interrompida pela chegada do novo coronavírus, uma ameaça nunca antes vista. Recuando ao tempo anterior ao isolamento social, as primeiras estimativas, divulgadas pela Direção Regional da Estatística da Madeira (DREM), relativas ao primeiro mês deste ano apontavam para um acréscimo de 2,5% no total de dormidas no alojamento turístico, em comparação com o mês homólogo. Em termos absolutos, a Madeira registou 539,9 milhares de dormidas em janeiro. E o crescimento manteve-se no mês seguinte. Os indicadores de fevereiro deste ano mostravam um acréscimo no sector do alojamento turístico regional, com variações homólogas de +8,4% nas dormidas, +8,1% nos proveitos totais e +9,4% nos proveitos de aposento. O total de dormidas do alojamento turístico no mês em referência (considerando a totalidade do alojamento local) rondou os 586,8 milhares enquanto os proveitos totais e de aposento atingiram os 26,6 e 17,4 milhões de euros, respetivamente. Com o tremendo impacto do novo coronavírus, tão cedo o setor turístico terá notícias tão positivas, centrando-se agora todas as atenções nas estatísticas do próximo mês. “É de sublinhar que em fevereiro, os efeitos da pandemia do COVID-19 não eram significativos, acentuando-se assim a tendência positiva trazida de janeiro e que interrompeu uma sequência de 9 meses de redução nas dormidas. Contudo, na próxima divulgação, que respeitará ao mês de março, os dados a apresentar já irão refletir as consequências da pandemia no sector do alojamento turístico coletivo regional”, avisa DREM.