Covid-19: Líder cipriota turco denuncia encerramento de pontos de passagem na ilha dividida

O presidente da autoproclamada República Turca de Chipre do Norte (RTCN), Mustafa Akinci, criticou hoje a decisão de Chipre de encerrar metade dos pontos de passagem com a parte norte da ilha dividida, justificada pelo combate à epidemia de...

Covid-19: Líder cipriota turco denuncia encerramento de pontos de passagem na ilha dividida
O presidente da autoproclamada República Turca de Chipre do Norte (RTCN), Mustafa Akinci, criticou hoje a decisão de Chipre de encerrar metade dos pontos de passagem com a parte norte da ilha dividida, justificada pelo combate à epidemia de Covid-19. Sábado, as autoridades cipriotas encerraram por sete dias quatro dos oito pontos de passagem para o terço norte da ilha, sob ocupação da Turquia desde 1974, ao anunciarem “um controlo reforçado”. Esta foi a primeira suspensão do funcionamento de diversos pontos de passagem desde a sua instauração em 2003. “Esta decisão unilateral não é uma boa decisão e deve ser revista”, declarou Akinci no decurso de uma conversa telefónica com o Presidente de Chipre, Nicos Anastasiades, que disse ter informado o seu homólogo deste encerramento. “O vírus é uma ameaça para as duas comunidades. Por esse motivo, é necessário agir em conjunto contra este perigo e lutar em conjunto”, acrescentou Akinci, citada por responsáveis da RTCN. “Estas decisões unilaterais podem contribuir para dividir as nossas sociedades e não protegê-las de um vírus proveniente do exterior”, afirmou. Akinci exortou Anastasiades a “ratificar” uma decisão política que, na sua perspetiva, não se baseia em motivos científicos, sublinhando que não foi confirmado nenhum caso de pessoas infetadas pelo surto de Covid-19 no norte ou no sul da ilha. A República de Chipre, reconhecida pela comunidade internacional e membro da União Europeia desde 2004, controla a parte sul da ilha, cerca de dois terços do território. A RTCN, autoproclamada em 1983, é apenas reconhecida pela Turquia, que mantém milhares de soldados nessa região após a invasão militar de 1974, justificada por uma tentativa fracassada de golpe que pretendia a união da ilha à Grécia. As conversações entre os dois líderes sobre a reunificação, mediadas pela ONU, estão suspensas desde 2017. Até ao momento, não foi detetado em Chipre nenhum caso do novo coronavírus. Anastasiades ofereceu a sua residência de verão nas montanhas de Troodos para colocar em quarentena as pessoas que visitaram países afetados pelo vírus e que não apresentem sintomas.