Covid-19: Famílias britânicas exigem investigação independente sobre a pandemia

Famílias que perderam parentes na pandemia de covid-19 estão a exigir uma investigação pública independente sobre a maneira como o Governo britânico lidou com a crise. Matt Fowler, do grupo Covid-19 Bereaved Families for Justice UK, disse à BBC que a morte do seu pai poderia ter sido evitada “se as coisas tivessem sido tratadas de maneira diferente”. Fowler disse que o seu pai tinha “apenas 56 anos, pelo que, morreu muito, muito antes do tempo”. O grupo, com cerca de 450 membros, escreveu ao primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, e ao secretário de Saúde, Matt Hancock, exigindo uma investigação sobre o que ocorreu e está a ocorrer durante esta pandemia de covid-19. O advogado do grupo, Elkan Abrahamson, declarou que uma investigação é necessária e tem de ser feita o mais rapidamente possível, porque a crise ainda está em andamento. Abrahamson afirmou: “neste caso, se levar muito tempo, mais vidas serão perdidas”. A pandemia de covid-19 já provocou mais de 418 mil mortos e infetou mais de 7,4 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP. Em Portugal, morreram 1.504 pessoas das 35.910 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde. A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China. Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Covid-19: Famílias britânicas exigem investigação independente sobre a pandemia
Famílias que perderam parentes na pandemia de covid-19 estão a exigir uma investigação pública independente sobre a maneira como o Governo britânico lidou com a crise. Matt Fowler, do grupo Covid-19 Bereaved Families for Justice UK, disse à BBC que a morte do seu pai poderia ter sido evitada “se as coisas tivessem sido tratadas de maneira diferente”. Fowler disse que o seu pai tinha “apenas 56 anos, pelo que, morreu muito, muito antes do tempo”. O grupo, com cerca de 450 membros, escreveu ao primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, e ao secretário de Saúde, Matt Hancock, exigindo uma investigação sobre o que ocorreu e está a ocorrer durante esta pandemia de covid-19. O advogado do grupo, Elkan Abrahamson, declarou que uma investigação é necessária e tem de ser feita o mais rapidamente possível, porque a crise ainda está em andamento. Abrahamson afirmou: “neste caso, se levar muito tempo, mais vidas serão perdidas”. A pandemia de covid-19 já provocou mais de 418 mil mortos e infetou mais de 7,4 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP. Em Portugal, morreram 1.504 pessoas das 35.910 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde. A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China. Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.