Covid-19: Costa Rica regista primeiro morto, Panamá e Bolívia com recolher obrigatório

A Costa Rica registou na quarta-feira a primeira vítima mortal do novo coronavírus, ao mesmo tempo que o Panamá e a Bolívia decretaram o recolher obrigatório em resposta à pandemia. Um homem de 87 anos morreu na sequência da Covid-19 num hospital em Alajuela, a cerca de 15 quilómetros a noroeste de São José, declarou o Ministério da Saúde da Costa Rica, em comunicado. O país regista atualmente 69 casos confirmados da Covid-19. Entretanto, no vizinho Panamá, o Governo decretou, na quarta-feira, um recolher obrigatório em todo o país, no âmbito das medidas de prevenção contra a propagação do novo coronavírus (SARS-CoV-2). A medida está em vigor das 21:00 às 05:00 (das 15:00 às 11:00 em Lisboa), anunciou o Presidente panamiano, Laurentino Cortizo. Também a Bolívia proclamou, a partir de terça-feira à noite, "o estado de emergência de saúde" e o recolher obrigatório para metade do dia. Nos termos do decreto da Presidência boliviana, "todos os habitantes devem permanecer em casa entre as 17:00 e as 05:00 (das 21:00 às 09:00 em Lisboa) do dia seguinte", até 31 de março. O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, infetou mais de 210 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 8.750 morreram. Das pessoas infetadas, mais de 84.000 recuperaram da doença. A China anunciou hoje não ter registado novas infeções locais nas últimas 24 horas, o que acontece pela primeira vez desde o início da pandemia. No entanto registou 34 novos casos importados. O surto começou na China, em dezembro, e espalhou-se já por 173 países e territórios, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia. No total, desde o início do surto, em dezembro passado, as autoridades da China continental, que exclui Macau e Hong Kong, contabilizaram 80.894 infeções diagnosticadas, incluindo 69.614 casos que já recuperaram, enquanto o total de mortos se fixou nos 3.237. O número de infetados ativos no país fixou-se em 8.043, incluindo 2.622 em estado grave. Os países mais afetados depois da China são a Itália, com 2.978 mortes em 35.713 casos, o Irão, com 1.135 mortes (17.361 casos), a Espanha, com 638 mortes (14.769 casos) e a França com 264 mortes (9.134 casos). Face ao avanço da pandemia, vários países adotaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

Covid-19: Costa Rica regista primeiro morto, Panamá e Bolívia com recolher obrigatório
A Costa Rica registou na quarta-feira a primeira vítima mortal do novo coronavírus, ao mesmo tempo que o Panamá e a Bolívia decretaram o recolher obrigatório em resposta à pandemia. Um homem de 87 anos morreu na sequência da Covid-19 num hospital em Alajuela, a cerca de 15 quilómetros a noroeste de São José, declarou o Ministério da Saúde da Costa Rica, em comunicado. O país regista atualmente 69 casos confirmados da Covid-19. Entretanto, no vizinho Panamá, o Governo decretou, na quarta-feira, um recolher obrigatório em todo o país, no âmbito das medidas de prevenção contra a propagação do novo coronavírus (SARS-CoV-2). A medida está em vigor das 21:00 às 05:00 (das 15:00 às 11:00 em Lisboa), anunciou o Presidente panamiano, Laurentino Cortizo. Também a Bolívia proclamou, a partir de terça-feira à noite, "o estado de emergência de saúde" e o recolher obrigatório para metade do dia. Nos termos do decreto da Presidência boliviana, "todos os habitantes devem permanecer em casa entre as 17:00 e as 05:00 (das 21:00 às 09:00 em Lisboa) do dia seguinte", até 31 de março. O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, infetou mais de 210 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 8.750 morreram. Das pessoas infetadas, mais de 84.000 recuperaram da doença. A China anunciou hoje não ter registado novas infeções locais nas últimas 24 horas, o que acontece pela primeira vez desde o início da pandemia. No entanto registou 34 novos casos importados. O surto começou na China, em dezembro, e espalhou-se já por 173 países e territórios, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia. No total, desde o início do surto, em dezembro passado, as autoridades da China continental, que exclui Macau e Hong Kong, contabilizaram 80.894 infeções diagnosticadas, incluindo 69.614 casos que já recuperaram, enquanto o total de mortos se fixou nos 3.237. O número de infetados ativos no país fixou-se em 8.043, incluindo 2.622 em estado grave. Os países mais afetados depois da China são a Itália, com 2.978 mortes em 35.713 casos, o Irão, com 1.135 mortes (17.361 casos), a Espanha, com 638 mortes (14.769 casos) e a França com 264 mortes (9.134 casos). Face ao avanço da pandemia, vários países adotaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.