Covid-19: Autarquia do Porto Santo exige ao Governo Regional a tomada de medidas urgentes e duras

Câmara Municipal do Porto Santo atenta às especificidades do Porto Santo, e à capacidade de resposta face à pandemia Covid-19, "exige" ao Governo Regional a tomada de medidas urgentes e duras, que definitivamente salvaguardem aquele que é o interesse superior a proteger, ou seja a vida humana e a saúde pública.  Eis o comunicado da Câmara Municipal do Porto Santo, na íntegra: "O Município informa ainda que decorreu, hoje, uma reunião, com carácter de urgência, da Comissão Municipal de Proteção Civil do Porto Santo, onde foram levantadas diversas questões e preocupações dos membros dessa comissão e desse modo, mandatou o presidente da Câmara em exercício, requer com carácter de urgência, ao Governo Regional da Madeira, que promovesse pela tomada de medidas extraordinárias, urgentes e inadiáveis, em especial no que concerne ao transporte marítimo, Lobo Marinho, de acordo com o conteúdo abaixo:    1-Qualquer pessoa, residente ou não, estudante ou não, que regresse de avião do continente português, ou de qualquer outro destino, que aterre no aeroporto da Madeira CR7, deverá ficar de quarentena obrigatória ​na ilha da Madeira, declarada no aeroporto, à semelhança dos restantes passageiros, podendo apenas regressar de transporte marítimo no Porto Santo, apenas e só uma vez finda essa quarentena;   2- Trabalhadores de empresas que se encontram a laborar no Porto Santo, e que por hábito façam viagens de fim-de-semana à Madeira e Continente, deverão ter em consideração que, caso efectuem a viagem, ou não poderão regressar ou, caso regressem, devem respeitar quarentena obrigatória;   3 - Os residentes, apenas deverão fazer deslocações à Madeira em casos inadiáveis e urgentes, no entanto todos os que efetuem viagens de barco deverão ficar em quarentena obrigatória;   4 - O Lobo Marinho deverá funcionar maioritariamente com transporte de carga, pelo que estimamos não serem necessárias mais de três viagens por semana, o que se requer.    Estão previstas hoje 78 passageiros no trajecto marítimo Funchal - Porto Santo, quem não for residente ou não tenha justificação, não deve ser permitido o seu embarque, e do nosso conhecimento vêm estrangeiros, estudantes e outros, que depois acabam por não acatar o cumprimento da ordem da Autoridade de Saúde. Temos conhecimento que todos os dias têm entrado pessoas em Porto Santo que não só não são residentes, bem como nem têm vindo trabalhar.    Para esse efeito é necessário um reforço efetivo do controle à saída do aeroporto CR7 e entrada do Navio Lobo Marinho, quer por autoridades de saúde, quer pela Polícia Marítima, para que também lhes seja informada e declarada a obrigatoriedade de cumprimento de quarentena, pelo que se apela à aplicação imediata de medidas excecionais".     

Covid-19: Autarquia do Porto Santo exige ao Governo Regional a tomada de medidas urgentes e duras
Câmara Municipal do Porto Santo atenta às especificidades do Porto Santo, e à capacidade de resposta face à pandemia Covid-19, "exige" ao Governo Regional a tomada de medidas urgentes e duras, que definitivamente salvaguardem aquele que é o interesse superior a proteger, ou seja a vida humana e a saúde pública.  Eis o comunicado da Câmara Municipal do Porto Santo, na íntegra: "O Município informa ainda que decorreu, hoje, uma reunião, com carácter de urgência, da Comissão Municipal de Proteção Civil do Porto Santo, onde foram levantadas diversas questões e preocupações dos membros dessa comissão e desse modo, mandatou o presidente da Câmara em exercício, requer com carácter de urgência, ao Governo Regional da Madeira, que promovesse pela tomada de medidas extraordinárias, urgentes e inadiáveis, em especial no que concerne ao transporte marítimo, Lobo Marinho, de acordo com o conteúdo abaixo:    1-Qualquer pessoa, residente ou não, estudante ou não, que regresse de avião do continente português, ou de qualquer outro destino, que aterre no aeroporto da Madeira CR7, deverá ficar de quarentena obrigatória ​na ilha da Madeira, declarada no aeroporto, à semelhança dos restantes passageiros, podendo apenas regressar de transporte marítimo no Porto Santo, apenas e só uma vez finda essa quarentena;   2- Trabalhadores de empresas que se encontram a laborar no Porto Santo, e que por hábito façam viagens de fim-de-semana à Madeira e Continente, deverão ter em consideração que, caso efectuem a viagem, ou não poderão regressar ou, caso regressem, devem respeitar quarentena obrigatória;   3 - Os residentes, apenas deverão fazer deslocações à Madeira em casos inadiáveis e urgentes, no entanto todos os que efetuem viagens de barco deverão ficar em quarentena obrigatória;   4 - O Lobo Marinho deverá funcionar maioritariamente com transporte de carga, pelo que estimamos não serem necessárias mais de três viagens por semana, o que se requer.    Estão previstas hoje 78 passageiros no trajecto marítimo Funchal - Porto Santo, quem não for residente ou não tenha justificação, não deve ser permitido o seu embarque, e do nosso conhecimento vêm estrangeiros, estudantes e outros, que depois acabam por não acatar o cumprimento da ordem da Autoridade de Saúde. Temos conhecimento que todos os dias têm entrado pessoas em Porto Santo que não só não são residentes, bem como nem têm vindo trabalhar.    Para esse efeito é necessário um reforço efetivo do controle à saída do aeroporto CR7 e entrada do Navio Lobo Marinho, quer por autoridades de saúde, quer pela Polícia Marítima, para que também lhes seja informada e declarada a obrigatoriedade de cumprimento de quarentena, pelo que se apela à aplicação imediata de medidas excecionais".