Covid-19: Albuquerque estima que sejam necessários "300 milhões de euros de apoio extra"

Miguel Albuquerque diz que é já tempo de começar a preparar operações de financiamento "para os tempos difíceis que vamos enfrentar, não vale a pena escamotear". Assim, pede ao Estado a suspensão da Lei das Finanças Regionais de forma a que a Região se possa financiar junto da banca, travando o limite de endividamento. O ponto de exaltação de Albuquerque é também que o Estado faça uma moratória da dívida contraída ao abrigo do PAEF, lembrando que "em julho teremos o pagamento de uma prestação de 48,5 milhões de euros, dos quais 18 milhões são de juros, e em janeiro de 2021 uma outra nos mesmos montantes". Ora, "são 97 milhões essenciais para canalizar para o apoio ao tecido empresarial e às famílias". Diz que esse pedido foi já feito há duas semanas, sem resposta. De resto, mesmo que este pedido seja diferido, Albuquerque estima que sejam necessários "300 milhões de euros de apoio extra" para fazer face aos prejuízos causados pela pandemia. Albuquerque apela ao entendimento de todas as forças políticas da Região, nesse propósito de sensibilização do Estado para o momento de exceção que a Região enfrenta, de resto extensível a todo o País. José Manuel Rodrigues corrobora e também apela ao bom senso da República.

Covid-19: Albuquerque estima que sejam necessários "300 milhões de euros de apoio extra"
Miguel Albuquerque diz que é já tempo de começar a preparar operações de financiamento "para os tempos difíceis que vamos enfrentar, não vale a pena escamotear". Assim, pede ao Estado a suspensão da Lei das Finanças Regionais de forma a que a Região se possa financiar junto da banca, travando o limite de endividamento. O ponto de exaltação de Albuquerque é também que o Estado faça uma moratória da dívida contraída ao abrigo do PAEF, lembrando que "em julho teremos o pagamento de uma prestação de 48,5 milhões de euros, dos quais 18 milhões são de juros, e em janeiro de 2021 uma outra nos mesmos montantes". Ora, "são 97 milhões essenciais para canalizar para o apoio ao tecido empresarial e às famílias". Diz que esse pedido foi já feito há duas semanas, sem resposta. De resto, mesmo que este pedido seja diferido, Albuquerque estima que sejam necessários "300 milhões de euros de apoio extra" para fazer face aos prejuízos causados pela pandemia. Albuquerque apela ao entendimento de todas as forças políticas da Região, nesse propósito de sensibilização do Estado para o momento de exceção que a Região enfrenta, de resto extensível a todo o País. José Manuel Rodrigues corrobora e também apela ao bom senso da República.