Coronavírus: Hong Kong impõe quarentena a visitantes oriundos do continente chinês

 Os visitantes que entrarem em Hong Kong a partir do continente chinês vão ser obrigados a um período de 14 dias de quarentena, visando conter a propagação do novo coronavírus, anunciou hoje a chefe do Executivo local. "A medida é difícil....

Coronavírus: Hong Kong impõe quarentena a visitantes oriundos do continente chinês
 Os visitantes que entrarem em Hong Kong a partir do continente chinês vão ser obrigados a um período de 14 dias de quarentena, visando conter a propagação do novo coronavírus, anunciou hoje a chefe do Executivo local. "A medida é difícil. Mas após este anúncio (...) acredito que o número de chegadas diminuirá", disse Carrie Lam, adiantando que a medida entrará em vigor no sábado, mas sem oferecer mais pormenores sobre como será implementada. Carrie Lam acrescentou dois terminais de cruzeiros, incluindo um onde se encontra atualmente um navio em quarentena, serão encerrados. O Executivo de Hong Kong está à procura de mais instalações para as pessoas que se encontrem em quarentena, a acrescentar aos três campos atualmente existentes. A região semiautónoma de Hong Kong anunciou na terça-feira a sua primeira morte devido ao novo coronavírus e fechou quase todos os postos fronteiriços com o resto do país. Milhares de profissionais de saúde estão em greve no território para exigir o encerramento completo da fronteira com a China continental, para conter o vírus, mas o executivo mantém duas passagens abertas, em parte para permitir a entrada de alimentos. A China elevou hoje para 490 mortos e mais de 24.300 infetados o balanço do surto de pneumonia provocado por um novo coronavírus (2019-nCoV) detetado em dezembro passado, em Wuhan, capital da província de Hubei (centro), colocada sob quarentena. Foram 64 as mortes na China registadas nas últimas 24 horas, segundo as autoridades de Pequim. A primeira pessoa a morrer por causa do novo coronavírus fora da China foi um cidadão chinês nas Filipinas. Além do território continental da China e das regiões chinesas de Macau e Hong Kong, há outros casos de infeção confirmados em mais de 20 países, o último novo caso identificado na Bélgica. A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou na quinta-feira uma situação de emergência de saúde pública de âmbito internacional, o que pressupõe a adoção de medidas de prevenção e coordenação à escala mundial.