Congresso do PS-M promete cumprir todas as normas de segurança

Já em contagem decrescente para a sessão de abertura, o XIX Congresso do PS – Madeira realiza-se ainda num período de pandemia, obedecendo, por isso, a um plano de contingência devidamente sancionado pelo IASaúde. Todos os intervenientes estão obrigados à medição de temperatura corporal à entrada, bem como a desinfeção das mãos, sendo que este gesto terá lugar a cada entrada e saída do espaço onde decorrerá o congresso. Para além, naturalmente, da obrigatoriedade do uso de máscara, durante todo o tempo. Face à limitação da sala a 400 pessoas, o congresso terá transmissão em tempo real através do Facebook. Entre os convidados do exterior, temos Carlos César, que terá uma intervenção amanhã, na sessão de encerramento, e também de uma delegação do PS Açores e ainda de um representante do PAICV – Partido Africano para a Independência de Cabo Verde. Convidados a se fazerem representar, foram também todos os partidos regionais, ordens e sindicatos da Região. Pelo PSD, marca presença Adolfo Brazão. Uma alteração estatutária, proposta por diversas personalidades socialistas será submetida a sufrágio. A votos irão estar, ainda, 10 moções sectoriais, já devidamente esmiuçadas por este JM, apresentadas por Duarte Caldeira e Gonçalo Aguiar, Bruno Martins, Miguel Brito, Nélson Abreu, Sérgio Gonçalves, José Júlio Curado, Rui Caetano, Elisa Seixas e Cátia Pestana, sendo a 10.ª da responsabilidade de uma fração mais jovem, composta por João Pedro Vieira, Sara Cerdas, Olavo Câmara e Marina Barbosa. Destaque, naturalmente, para a Moção de Estratégia Global, da responsabilidade de Paulo Cafôfo, ‘Avançar a Madeira Pelas Pessoas’, que irá também a votos. Esta uma moção já direcionada para as eleições autárquicas de 2021, em outubro, onde o PS almeja, no mínimo, em manter as quatro Câmaras Municipais, ou seja, Porto Moniz, Ponta do Sol, Machico e Funchal.

Congresso do PS-M promete cumprir todas as normas de segurança
Já em contagem decrescente para a sessão de abertura, o XIX Congresso do PS – Madeira realiza-se ainda num período de pandemia, obedecendo, por isso, a um plano de contingência devidamente sancionado pelo IASaúde. Todos os intervenientes estão obrigados à medição de temperatura corporal à entrada, bem como a desinfeção das mãos, sendo que este gesto terá lugar a cada entrada e saída do espaço onde decorrerá o congresso. Para além, naturalmente, da obrigatoriedade do uso de máscara, durante todo o tempo. Face à limitação da sala a 400 pessoas, o congresso terá transmissão em tempo real através do Facebook. Entre os convidados do exterior, temos Carlos César, que terá uma intervenção amanhã, na sessão de encerramento, e também de uma delegação do PS Açores e ainda de um representante do PAICV – Partido Africano para a Independência de Cabo Verde. Convidados a se fazerem representar, foram também todos os partidos regionais, ordens e sindicatos da Região. Pelo PSD, marca presença Adolfo Brazão. Uma alteração estatutária, proposta por diversas personalidades socialistas será submetida a sufrágio. A votos irão estar, ainda, 10 moções sectoriais, já devidamente esmiuçadas por este JM, apresentadas por Duarte Caldeira e Gonçalo Aguiar, Bruno Martins, Miguel Brito, Nélson Abreu, Sérgio Gonçalves, José Júlio Curado, Rui Caetano, Elisa Seixas e Cátia Pestana, sendo a 10.ª da responsabilidade de uma fração mais jovem, composta por João Pedro Vieira, Sara Cerdas, Olavo Câmara e Marina Barbosa. Destaque, naturalmente, para a Moção de Estratégia Global, da responsabilidade de Paulo Cafôfo, ‘Avançar a Madeira Pelas Pessoas’, que irá também a votos. Esta uma moção já direcionada para as eleições autárquicas de 2021, em outubro, onde o PS almeja, no mínimo, em manter as quatro Câmaras Municipais, ou seja, Porto Moniz, Ponta do Sol, Machico e Funchal.