China anuncia assistência financeira aos países afetados, sobretudo os mais pobres

O Presidente chinês, Xi Jinping, anunciou hoje, na reunião anual da Organização Mundial da Saúde (OMS), que a China vai oferecer dois mil milhões de dólares em assistência aos países afetados pela pandemia da Covid-19, sobretudo aos mais pobres. O líder chinês apontou ainda que potenciais vacinas que a China consiga desenvolver contra a doença, que causou já mais de 300.000 mortes em todo o mundo, "vão estar disponíveis como um bem público globalmente para que sejam acessíveis a todos os países em desenvolvimento". Xi Jinping garantiu que a China vai trabalhar em conjunto com as restantes economias do G20 para acordar uma moratória da dívida dos países mais pobres, como parte das medidas para superar a atual crise económica provocada pela pandemia do novo coronavírus. O apoio financeiro (cerca de 1,85 mil milhões de euros) será distribuído num prazo de dois anos, numa altura em que o Governo norte-americano suspendeu os pagamentos à OMS, por alegada má gestão na pandemia da covid-19. No seu discurso na assembleia da OMS, Xi assegurou que a China forneceu todos os dados relevantes sobre a doença à OMS e a outros países, incluindo a sequência genética do vírus, "da forma mais oportuna". "Compartilhamos a experiência sobre o controlo e tratamento com o mundo sem reservas. Fizemos tudo ao nosso alcance para apoiar e ajudar os países atingidos", apontou. O bloco dos 27 membros da União Europeia e outros países pediram durante a assembleia uma avaliação independente da resposta inicial da OMS à pandemia do novo coronavírus "para rever a experiência adquirida e as lições aprendidas". A resolução da UE propõe que a avaliação independente seja iniciada "o mais rapidamente possível " e deve, entre outras questões, examinar "as ações da OMS e os seus cronogramas referentes à pandemia". A OMS anunciou que o surto de coronavírus seria uma emergência de saúde global em 30 de janeiro, o seu nível mais alto de alerta. Nas semanas seguintes, a OMS advertiu os países de que havia uma "janela de oportunidade" estreita para impedir que o vírus se espalhasse globalmente. As autoridades da OMS, no entanto, descreveram repetidamente a transmissão do vírus como "limitada", apontando que não era tão transmissível como a gripe, apesar de vários especialistas afirmaram que o nível de contágio da doença é muito superior. A OMS declarou que o surto era uma pandemia em 11 de março, depois de o vírus matar milhares em todo o mundo e provocar grandes surtos na Coreia do Sul, Itália ou Irão. Xi disse que também apoia a ideia de uma revisão abrangente da resposta global ao COVID-19. "Este trabalho deve ser baseado na ciência e profissionalismo, liderado pela OMS e conduzido de maneira objetiva e imparcial", defendeu.

China anuncia assistência financeira aos países afetados, sobretudo os mais pobres
O Presidente chinês, Xi Jinping, anunciou hoje, na reunião anual da Organização Mundial da Saúde (OMS), que a China vai oferecer dois mil milhões de dólares em assistência aos países afetados pela pandemia da Covid-19, sobretudo aos mais pobres. O líder chinês apontou ainda que potenciais vacinas que a China consiga desenvolver contra a doença, que causou já mais de 300.000 mortes em todo o mundo, "vão estar disponíveis como um bem público globalmente para que sejam acessíveis a todos os países em desenvolvimento". Xi Jinping garantiu que a China vai trabalhar em conjunto com as restantes economias do G20 para acordar uma moratória da dívida dos países mais pobres, como parte das medidas para superar a atual crise económica provocada pela pandemia do novo coronavírus. O apoio financeiro (cerca de 1,85 mil milhões de euros) será distribuído num prazo de dois anos, numa altura em que o Governo norte-americano suspendeu os pagamentos à OMS, por alegada má gestão na pandemia da covid-19. No seu discurso na assembleia da OMS, Xi assegurou que a China forneceu todos os dados relevantes sobre a doença à OMS e a outros países, incluindo a sequência genética do vírus, "da forma mais oportuna". "Compartilhamos a experiência sobre o controlo e tratamento com o mundo sem reservas. Fizemos tudo ao nosso alcance para apoiar e ajudar os países atingidos", apontou. O bloco dos 27 membros da União Europeia e outros países pediram durante a assembleia uma avaliação independente da resposta inicial da OMS à pandemia do novo coronavírus "para rever a experiência adquirida e as lições aprendidas". A resolução da UE propõe que a avaliação independente seja iniciada "o mais rapidamente possível " e deve, entre outras questões, examinar "as ações da OMS e os seus cronogramas referentes à pandemia". A OMS anunciou que o surto de coronavírus seria uma emergência de saúde global em 30 de janeiro, o seu nível mais alto de alerta. Nas semanas seguintes, a OMS advertiu os países de que havia uma "janela de oportunidade" estreita para impedir que o vírus se espalhasse globalmente. As autoridades da OMS, no entanto, descreveram repetidamente a transmissão do vírus como "limitada", apontando que não era tão transmissível como a gripe, apesar de vários especialistas afirmaram que o nível de contágio da doença é muito superior. A OMS declarou que o surto era uma pandemia em 11 de março, depois de o vírus matar milhares em todo o mundo e provocar grandes surtos na Coreia do Sul, Itália ou Irão. Xi disse que também apoia a ideia de uma revisão abrangente da resposta global ao COVID-19. "Este trabalho deve ser baseado na ciência e profissionalismo, liderado pela OMS e conduzido de maneira objetiva e imparcial", defendeu.