CDS louva Região e manifesta-se contra a falta de solidariedade da República

O Conselho Regional do CDS decidiu "louvar publicamente a coragem, o trabalho extraordinário, a competência, o empenho e a dedicação dos profissionais de saúde da Região Autónoma da Madeira no combate à pandemia da covid-19. São um exemplo, que deve ser destacado e recordado". Decidiu ainda "louvar o comportamento exemplar da generalidade da população da Região naquilo que se refere ao cumprimento das instruções dadas pelas autoridades de saúde pública, referentes às medidas de contenção da pandemia. Um bom exemplo de cidadania responsável", assim como "louvar os empresários da Região, assim como os trabalhadores, pela sua resistência, numa situação de crise sem precedentes, que não é responsabilidade do Governo Regional, mas sim motivada por uma crise pandémica global. O CDS está e estará sempre ao lado dos empregadores e dos trabalhadores, procurando, em conjunto com o Governo Regional, propor e apoiar soluções que visem minimizar o efeito da crise e potenciar a recuperação económica". Os centristas louvam ainda "a prestação do partido no Governo, salientando as medidas tomadas, sobretudo na área económica, de apoio imediato às empresas, designadamente à manutenção dos postos de trabalho. Prova-se assim que a presença do nosso partido no Executivo é uma mais-valia para a Região, acrescentando competência e espírito democrático à governação". O Conselho Regional do CDS decidiu também "manifestar-se contra a falta de solidariedade da República para com a Madeira. Todas as medidas tomadas para minimizar a crise foram-no à custa do Orçamento Regional, sem apoio do Governo central e sem que o partido que o representa na Madeira, o PS, se digne indignar com a situação, preferindo a solidariedade partidária à devida solidariedade ao povo Madeirense#. Outra das resoluções deste encontro foi "aprovar a data do XVIII Congresso do Partido, marcado para 28 de novembro, no concelho de Santana, município governado, com sapiência, pelo partido, desde 2013. A escolha de Santana é um sinal claro da vontade do partido em manter, para bem da população, a governação municipal, que vem sendo pautada pelo rigor financeiro, pela seriedade, pela dedicação às pessoas, às tradições, ao património e pela vontade em preparar Santana para o futuro, não descurando o presente, o que se traduz no apoio às famílias e às empresas", assim como "Aprovar o Regulamento do Congresso, assim como a Comissão Organizadora, propostas pela Direção".

CDS louva Região e manifesta-se contra a falta de solidariedade da República
O Conselho Regional do CDS decidiu "louvar publicamente a coragem, o trabalho extraordinário, a competência, o empenho e a dedicação dos profissionais de saúde da Região Autónoma da Madeira no combate à pandemia da covid-19. São um exemplo, que deve ser destacado e recordado". Decidiu ainda "louvar o comportamento exemplar da generalidade da população da Região naquilo que se refere ao cumprimento das instruções dadas pelas autoridades de saúde pública, referentes às medidas de contenção da pandemia. Um bom exemplo de cidadania responsável", assim como "louvar os empresários da Região, assim como os trabalhadores, pela sua resistência, numa situação de crise sem precedentes, que não é responsabilidade do Governo Regional, mas sim motivada por uma crise pandémica global. O CDS está e estará sempre ao lado dos empregadores e dos trabalhadores, procurando, em conjunto com o Governo Regional, propor e apoiar soluções que visem minimizar o efeito da crise e potenciar a recuperação económica". Os centristas louvam ainda "a prestação do partido no Governo, salientando as medidas tomadas, sobretudo na área económica, de apoio imediato às empresas, designadamente à manutenção dos postos de trabalho. Prova-se assim que a presença do nosso partido no Executivo é uma mais-valia para a Região, acrescentando competência e espírito democrático à governação". O Conselho Regional do CDS decidiu também "manifestar-se contra a falta de solidariedade da República para com a Madeira. Todas as medidas tomadas para minimizar a crise foram-no à custa do Orçamento Regional, sem apoio do Governo central e sem que o partido que o representa na Madeira, o PS, se digne indignar com a situação, preferindo a solidariedade partidária à devida solidariedade ao povo Madeirense#. Outra das resoluções deste encontro foi "aprovar a data do XVIII Congresso do Partido, marcado para 28 de novembro, no concelho de Santana, município governado, com sapiência, pelo partido, desde 2013. A escolha de Santana é um sinal claro da vontade do partido em manter, para bem da população, a governação municipal, que vem sendo pautada pelo rigor financeiro, pela seriedade, pela dedicação às pessoas, às tradições, ao património e pela vontade em preparar Santana para o futuro, não descurando o presente, o que se traduz no apoio às famílias e às empresas", assim como "Aprovar o Regulamento do Congresso, assim como a Comissão Organizadora, propostas pela Direção".