Calado considera inadmissível morosidade no refinanciamento da dívida

Tanto o mais grave que a ausência de “resposta para ajudar os madeirenses, pelo mesmo primeiro ministro que tanto criticou o ministro holandês”, Pedro Calado não escondeu a sua grande preocupação por mais uma outra questão, a montante. Termina sexta-feira o prazo para o refinanciamento da dívida junto do consórcio bancário, no valor de 290 milhões de euros e, apesar de estar no Orçamento de Estado, não temos ainda a respectiva avalização”. Calado considera inadmissível esta morosidade, a três dias dessa operação se efetivar, falando na colocação de um mais um grave problema para a Região.

Calado considera inadmissível morosidade no refinanciamento da dívida
Tanto o mais grave que a ausência de “resposta para ajudar os madeirenses, pelo mesmo primeiro ministro que tanto criticou o ministro holandês”, Pedro Calado não escondeu a sua grande preocupação por mais uma outra questão, a montante. Termina sexta-feira o prazo para o refinanciamento da dívida junto do consórcio bancário, no valor de 290 milhões de euros e, apesar de estar no Orçamento de Estado, não temos ainda a respectiva avalização”. Calado considera inadmissível esta morosidade, a três dias dessa operação se efetivar, falando na colocação de um mais um grave problema para a Região.