BE defende mobilidade sustentável para todos e transporte público no Porto Santo

"O Governo faz pompa com o programa Porto Santo sem combustíveis fósseis e vai financiar a compra de veículos elétricos. Esta não é a melhor opção, não é a escolha mais amiga do ambiente e da saúde pública, nem é a solução mais económica, não...

BE defende mobilidade sustentável para todos e transporte público no Porto Santo
"O Governo faz pompa com o programa Porto Santo sem combustíveis fósseis e vai financiar a compra de veículos elétricos. Esta não é a melhor opção, não é a escolha mais amiga do ambiente e da saúde pública, nem é a solução mais económica, não é sustentável", lê-se no comunicado do Bloco de Esquerda. "Subsidiar a aquisição da propriedade de veículos particulares, é substituir carros com motor a combustão por carros com motores elétricos, isso não faz diminuir o número de carros em circulação, o transito não melhora nem os problemas que daí decorrem: stress e baixa produtividade, tempos de deslocação crescentes, custos elevados de manutenção dos arruamentos. Quem vai beneficiar são as famílias com maior rendimento, que têm capacidade de adquirir um carro novo. A maioria das famílias tem carro próprio mas a maioria não ganha para comprar um carro novo. Isto é mais um subsídio aos vendedores de automóveis e uma medida que não belisca os interesses do lobi do betão, da necessidade de haver mais estradas e estacionamentos para os carros em circulação", critica Tiago Camacho. "A aposta correta é no transporte público, o Porto Santo deveria ser um laboratório para ensaiar transportes públicos gratuitos e reduzir assim o uso do carro particular. Esta seria uma medida que beneficia todas as famílias e não só as de mais altos rendimentos. O transporte público gratuito seria um forte incentivo para deixar os carros em casa, o que faz melhorar o trânsito, os tempos de deslocação – pessoas menos stressadas rendem mais no trabalho e adoecem menos. Nos moldes conhecidos, alargar este programa a toda a Madeira é um disparate. Comparticipar com 10.000 Euros a aquisição carro elétrico para 10.000 famílias, são 100 milhões. Com esse montante pode o Governo adquirir 500 autocarros, mais que toda a frota de transportes públicos da Madeira. O Governo está refém do lóbi do betão, que quer continuar a construir mais estradas e estacionamentos. A preocupação ambiental é só um engodo", conclui a nota enviada à imprensa.