BE defende estacionamento gratuito para os profissionais de saúde do SESARAM

"O estacionamento do hospital sempre apresentou preços indecentes, desde que foi concessionado a privados. Neste contexto de pandemia, que é tão exigente para os profissionais SESARAM, não lhes garantir estacionamento gratuito é vergonhoso e inaceitável", afirma Paulino Ascenção, do BE-Madeira. "As concessões são em regra negócios ruinosos para o setor público e altamente lucrativos para os privados - os poucos que deles beneficiam. O estacionamento do hospital não é excepção e configura uma extorsão às pessoas que o utilizam que não têm alternativa e encontram-se fragilizadas. Há profissionais a alugar garagens na vizinhança, é tempo de Governo Regional terminar esta concessão e entregar o parque de estacionamento ao SESARAM para gerir o espaço ao abrigo do interesse público, com  salvaguarda dos postos de trabalho. Vivemos circunstâncias extraordinárias que exigem medidas extraordinárias e não basta ao Governo Regional fazer "voz grossa" com Lisboa, tem também de ser exigente no plano interno. Os próximos tempos vão ser muito duros para quem vive na Madeira, num horizonte temporal difícil de prever é o momento para rever as condições de privilégio de que beneficiam os concessionários de infraestruturas e de serviços públicos na Madeira.  Ninguém compreenderá que se continuem a garantir lucros escandalosos nas concessões rodoviárias, ausência de contrapartidas na concessão dos portos ou a continuação da exploração do centro de inspeções à revelia de decisões judiciais. Os sacrifícios têm de ser distribuídos por todos", refere a nota enviada à redação do JM.

BE defende estacionamento gratuito para os profissionais de saúde do SESARAM
"O estacionamento do hospital sempre apresentou preços indecentes, desde que foi concessionado a privados. Neste contexto de pandemia, que é tão exigente para os profissionais SESARAM, não lhes garantir estacionamento gratuito é vergonhoso e inaceitável", afirma Paulino Ascenção, do BE-Madeira. "As concessões são em regra negócios ruinosos para o setor público e altamente lucrativos para os privados - os poucos que deles beneficiam. O estacionamento do hospital não é excepção e configura uma extorsão às pessoas que o utilizam que não têm alternativa e encontram-se fragilizadas. Há profissionais a alugar garagens na vizinhança, é tempo de Governo Regional terminar esta concessão e entregar o parque de estacionamento ao SESARAM para gerir o espaço ao abrigo do interesse público, com  salvaguarda dos postos de trabalho. Vivemos circunstâncias extraordinárias que exigem medidas extraordinárias e não basta ao Governo Regional fazer "voz grossa" com Lisboa, tem também de ser exigente no plano interno. Os próximos tempos vão ser muito duros para quem vive na Madeira, num horizonte temporal difícil de prever é o momento para rever as condições de privilégio de que beneficiam os concessionários de infraestruturas e de serviços públicos na Madeira.  Ninguém compreenderá que se continuem a garantir lucros escandalosos nas concessões rodoviárias, ausência de contrapartidas na concessão dos portos ou a continuação da exploração do centro de inspeções à revelia de decisões judiciais. Os sacrifícios têm de ser distribuídos por todos", refere a nota enviada à redação do JM.