Bar “O Moelas” passa a ser estabelecimento histórico em Coimbra

A Câmara Municipal de Coimbra classificou hoje como entidade de interesse histórico o bar "O Moelas", conhecido na noite académica de Coimbra pelas suas sandes de moelas e pela sua lista de mais de 200 shots. O reconhecimento de "O Moelas" como entidade de interesse histórico e cultural foi aprovada hoje, por unanimidade, em reunião da Câmara de Coimbra. Aberto desde 1974, o bar situado junto ao largo da Sé Velha é um dos estabelecimentos mais reconhecidos pelos estudantes na noite de Coimbra, tendo sido também classificado pelo Conselho de Veteranos, no final de 2019, como "Tasca de Interesse Histórico", tornando-o o único sítio onde pode haver praxe debaixo de telha, à exceção de repúblicas. Foi esse reconhecimento pelo Conselho de Veteranos que levou Pedro Pessoa, gerente do espaço, a avançar com o processo de classificação na Câmara de Coimbra, estatuto que permite aos estabelecimentos classificados de beneficiar de medidas de proteção, designadamente no âmbito do arrendamento urbano, explicou à agência Lusa o responsável de "O Moelas". O espaço chamava-se inicialmente "Auto Serviço da Sé" e apenas mudou para o nome atual devido à fama das suas moelas. "Em 1994 e 1995, tínhamos um grupo de tunas a quem servíamos muitos pratos de moelas. Eles decidiram fazer uma música de homenagem ao espaço e toda a gente começou a falar de nós como ‘O Moelas'", contou Pedro Pessoa, referindo que a mudança de nome acabou por ser oficializada em 1998. A letra da música composta pela tuna está num quadro do estabelecimento e, todos os dias, às 03:55, a canção é tocada, antes de "O Moelas" fechar. Se nos anos 1990, a maioria dos shots eram simples, como absinto, whiskey ou Gold Strike - "comprávamos caixas e caixas de Gold Strike" -, na viragem do século começaram a surgir invenções da casa compostas de misturas, numa altura em que o bar também passou a funcionar apenas à noite e já sem servir refeições - apenas as moelas que lhe dão o nome. O cardápio de shots foi aumentando de ano para ano, com shots associados a cada uma das Queimas da Fitas desde 1998, mas também há bebidas com nomes de curso da Universidade de Coimbra - "temos de quase todos" - ou até de um presidente da Associação Académica de Coimbra, como é o caso de Jorge Serrote, notou. Há outros que nem aparecem no extenso cardápio do histórico bar e alguns associados a grupos da Associação Académica de Coimbra ou a tertúlias da Faculdade de Direito. Apesar de mais virado para a bebida, as moelas mantêm-se e continuam a fazer sucesso, especialmente em sandes, contou Pedro Pessoa. "Às duas e três da manhã sabe-lhes pela vida", frisou. Neste momento, "O Moelas" está fechado devido à pandemia.

Bar “O Moelas” passa a ser estabelecimento histórico em Coimbra
A Câmara Municipal de Coimbra classificou hoje como entidade de interesse histórico o bar "O Moelas", conhecido na noite académica de Coimbra pelas suas sandes de moelas e pela sua lista de mais de 200 shots. O reconhecimento de "O Moelas" como entidade de interesse histórico e cultural foi aprovada hoje, por unanimidade, em reunião da Câmara de Coimbra. Aberto desde 1974, o bar situado junto ao largo da Sé Velha é um dos estabelecimentos mais reconhecidos pelos estudantes na noite de Coimbra, tendo sido também classificado pelo Conselho de Veteranos, no final de 2019, como "Tasca de Interesse Histórico", tornando-o o único sítio onde pode haver praxe debaixo de telha, à exceção de repúblicas. Foi esse reconhecimento pelo Conselho de Veteranos que levou Pedro Pessoa, gerente do espaço, a avançar com o processo de classificação na Câmara de Coimbra, estatuto que permite aos estabelecimentos classificados de beneficiar de medidas de proteção, designadamente no âmbito do arrendamento urbano, explicou à agência Lusa o responsável de "O Moelas". O espaço chamava-se inicialmente "Auto Serviço da Sé" e apenas mudou para o nome atual devido à fama das suas moelas. "Em 1994 e 1995, tínhamos um grupo de tunas a quem servíamos muitos pratos de moelas. Eles decidiram fazer uma música de homenagem ao espaço e toda a gente começou a falar de nós como ‘O Moelas'", contou Pedro Pessoa, referindo que a mudança de nome acabou por ser oficializada em 1998. A letra da música composta pela tuna está num quadro do estabelecimento e, todos os dias, às 03:55, a canção é tocada, antes de "O Moelas" fechar. Se nos anos 1990, a maioria dos shots eram simples, como absinto, whiskey ou Gold Strike - "comprávamos caixas e caixas de Gold Strike" -, na viragem do século começaram a surgir invenções da casa compostas de misturas, numa altura em que o bar também passou a funcionar apenas à noite e já sem servir refeições - apenas as moelas que lhe dão o nome. O cardápio de shots foi aumentando de ano para ano, com shots associados a cada uma das Queimas da Fitas desde 1998, mas também há bebidas com nomes de curso da Universidade de Coimbra - "temos de quase todos" - ou até de um presidente da Associação Académica de Coimbra, como é o caso de Jorge Serrote, notou. Há outros que nem aparecem no extenso cardápio do histórico bar e alguns associados a grupos da Associação Académica de Coimbra ou a tertúlias da Faculdade de Direito. Apesar de mais virado para a bebida, as moelas mantêm-se e continuam a fazer sucesso, especialmente em sandes, contou Pedro Pessoa. "Às duas e três da manhã sabe-lhes pela vida", frisou. Neste momento, "O Moelas" está fechado devido à pandemia.