Avaliação bancária sobe mais 40 euros e atinge novo máximo histórico

Depois da quebra registada em maio, a Madeira apresenta a maior subida para o conjunto da habitação O valor médio da avaliação bancária na Madeira aumentou em junho 40 euros, recuperando assim face à quebra da ordem dos 28 euros registada em...

Avaliação bancária sobe mais 40 euros  e atinge novo máximo histórico
Depois da quebra registada em maio, a Madeira apresenta a maior subida para o conjunto da habitação O valor médio da avaliação bancária na Madeira aumentou em junho 40 euros, recuperando assim face à quebra da ordem dos 28 euros registada em maio, segundo os indicadores do Instituto Nacional de Estatística (INE) para o setor. A Região volta a protagonizar a maior subida para o conjunto da habitação ao nível regional, com um aumento da ordem dos 3%, o equivalente a 40 euros. Em rota contrária, os Açores apresentaram uma descida ligeira de 0,8%. Ou seja, uma redução de sete euros. Sete euros foi também quanto subiu o valor médio da avaliação bancária em junho, no todo do País. Este aumento representa uma subida de 0,6% comparativamente a maio. Se falarmos de apartamentos, o valor médio de avaliação subiu 10 euros face a maio, atingindo os 1 353 euros/m2 em junho. Nas moradias, o aumento foi de 5 euros, para 1 142 euros/m2. Vejamos o caso concreto da Madeira: mais 3,7% nos apartamentos e mais 2,5% nas moradias, um aumento substancial para esta tipologia, tendo em conta os indicadores precedentes. Traduzindo em euros: a avaliação bancária dos apartamentos subiu 51 euros, as moradias 32 euros. Olhando para o Índice do valor médio de avaliação bancária referente a junho, conclui-se que o Algarve, a Área Metropolitana de Lisboa, a Madeira, a Área Metropolitana do Porto e o Alentejo Litoral apresentam valores de avaliação superiores à média nacional (41%, 30%, 15%, 8% e 3%). Com um desempenho menos positivo, a região do Alto Alentejo foi a que apresentou o valor mais baixo em relação à média nacional (-27%).