Atleta do União vive inferno em Frankfurt que já motivou queixa na Lufhtansa

Aladin, atleta do União que se encontra retido em Frankfurt desde o passado dia 18, como o JM deu conta ainda hoje, não está a receber o apoio necessário que era responsabilidade da Lufthansa, transportadora aérea que devia assegurar o seu regresso à Sérvia. O JM teve acesso à troca de informação entre a agência de viagens e a Lufthansa, que o clube também tem conhecimento, que explica todos os passos de uma viagem que acabou por ser condicionado pelo encerramento de aeroportos. O futebolista Aladin Dakovac tinha viagem Frankfurt-Belgrado (LH 1410) confirmada para o dia 18 de março. Mas na véspera recebeu a notícia de cancelamento, sendo posteriormente anunciado que teria direito à proteção do passageiro.   Impedido de viajar No dia 18 de março, Aladin, depois de ter contactado com o balcão da Lufthansa, primeiro no Aeroporto de Lisboa, e depois no Aeroporto de Frankfurt, foi encaminhado para a porta de embarque do voo JU 335. Mas lá chegado foi impedido de embarcar, sendo informado que não tinha qualquer bilhete emitido para aquele voo.   Obrigado a dormir no aeroporto Na sequência da determinação do governo da Alemanha, que está a impedir a entrada de estrangeiros em território alemão, o jogador foi obrigado a pernoitar no Aeroporto de Frankfurt, onde se encontra desde o dia 18 de março, em condições desumanas. Ontem, 19 de março, a Sérvia decretou o encerramento de todos os seus aeroportos, devido ao Covid-19. E hoje, ao contrário do que aconteceu ontem, a Lufthansa recusou-se a entregar vouchers de refeição ao passageiro Aladin Dakovac, desresponsabilizando-se pelo sucedido. Face ao exposto, já foi apresentada uma queixa contra a Lufthansa.   Responsáveis do União enviam verba Os responsáveis do União, todavia, já fizeram uma coleta e enviaram 100 euros para que o atleta possa alimentar-se. O jogador continua à espera que a Embaixada da Sérvia possa resolver a situação. A perspetiva é de que possam ser reunidos indivíduos com nacionalidade sérvia em numero   Suficiente para que possam embarcar num único avião com destino a Belgrado.

Atleta do União vive inferno em Frankfurt que já motivou queixa na Lufhtansa
Aladin, atleta do União que se encontra retido em Frankfurt desde o passado dia 18, como o JM deu conta ainda hoje, não está a receber o apoio necessário que era responsabilidade da Lufthansa, transportadora aérea que devia assegurar o seu regresso à Sérvia. O JM teve acesso à troca de informação entre a agência de viagens e a Lufthansa, que o clube também tem conhecimento, que explica todos os passos de uma viagem que acabou por ser condicionado pelo encerramento de aeroportos. O futebolista Aladin Dakovac tinha viagem Frankfurt-Belgrado (LH 1410) confirmada para o dia 18 de março. Mas na véspera recebeu a notícia de cancelamento, sendo posteriormente anunciado que teria direito à proteção do passageiro.   Impedido de viajar No dia 18 de março, Aladin, depois de ter contactado com o balcão da Lufthansa, primeiro no Aeroporto de Lisboa, e depois no Aeroporto de Frankfurt, foi encaminhado para a porta de embarque do voo JU 335. Mas lá chegado foi impedido de embarcar, sendo informado que não tinha qualquer bilhete emitido para aquele voo.   Obrigado a dormir no aeroporto Na sequência da determinação do governo da Alemanha, que está a impedir a entrada de estrangeiros em território alemão, o jogador foi obrigado a pernoitar no Aeroporto de Frankfurt, onde se encontra desde o dia 18 de março, em condições desumanas. Ontem, 19 de março, a Sérvia decretou o encerramento de todos os seus aeroportos, devido ao Covid-19. E hoje, ao contrário do que aconteceu ontem, a Lufthansa recusou-se a entregar vouchers de refeição ao passageiro Aladin Dakovac, desresponsabilizando-se pelo sucedido. Face ao exposto, já foi apresentada uma queixa contra a Lufthansa.   Responsáveis do União enviam verba Os responsáveis do União, todavia, já fizeram uma coleta e enviaram 100 euros para que o atleta possa alimentar-se. O jogador continua à espera que a Embaixada da Sérvia possa resolver a situação. A perspetiva é de que possam ser reunidos indivíduos com nacionalidade sérvia em numero   Suficiente para que possam embarcar num único avião com destino a Belgrado.