Albuquerque mantém confiança em Barreto

Miguel Albuquerque voltou ontem a afirmar que continua a confiar “totalmente” no seu secretário regional de Economia. Questionado pelos jornalistas sobre o recebimento de dinheiro e não declarado por Rui Barreto, à margem da cerimónia de entrega de uma viatura de resgate em montanha aos Bombeiros Voluntários de Câmara de Lobos, o presidente do Governo Regional disse que Rui Barreto "não roubou nada a ninguém" e que até tem dúvidas se ele seria obrigado a declarar o empréstimo de que tanto se fala ao Tribunal Constitucional. “Não vale a pena estarmos aqui a tentar confundir duas situações que não têm nada a ver uma com a outra”, sustentou, acrescentando que, do seu ponto de vista, “no quadro legal da Madeira” Rui Barreto “não era obrigado” e, mesmo no quadro nacional, tenho as suas “dúvidas” de que o seria. Outro assunto comentado pelo chefe do Executivo madeirense foi  a retoma da economia e da atividade turística.  Otimista em relação a este verão e início do próximo outono, Miguel Albuquerque disse que tem esperança que a melhoria da situação sanitária na Europa, sobretudo no Reino Unido e Alemanha, beneficie a Madeira. “Isso melhoraria logo o panorama atual”, declarou.   Bombeiros ganham nova viatura Os Bombeiros Voluntários de Câmara de Lobos receberam ontem uma nova viatura para resgate em montanha. Um investimento da autarquia local, cofinanciado pelo PRODERAM, que rondou os 100 mil euros. Acerca desta nova aquisição, o presidente do Governo Regional congratulou-se na ocasião com o facto de todas as corporações de bombeiros da Região já estarem dotadas dos equipamentos necessários para o cumprimento da sua missão. À população de Câmara de Lobos deixou o seu agradecimento pelo civismo demonstrado no cumprimento das medidas sanitárias em curso, lembrando, no entanto, que a pandemia ainda não acabou e “há caminho a percorrer”. Reconheceu que “o percurso que temos feito neste último ano tem sido difícil e exige coragem, determinação, firmeza e sobretudo solidariedade e sacrifício de todos nós”, lembrando que “não há solução para nenhuma crise, muito menos pandémica, que não resulte da concertação e do entendimento entre as autoridades públicas e a população”.

Albuquerque mantém confiança em Barreto
Miguel Albuquerque voltou ontem a afirmar que continua a confiar “totalmente” no seu secretário regional de Economia. Questionado pelos jornalistas sobre o recebimento de dinheiro e não declarado por Rui Barreto, à margem da cerimónia de entrega de uma viatura de resgate em montanha aos Bombeiros Voluntários de Câmara de Lobos, o presidente do Governo Regional disse que Rui Barreto "não roubou nada a ninguém" e que até tem dúvidas se ele seria obrigado a declarar o empréstimo de que tanto se fala ao Tribunal Constitucional. “Não vale a pena estarmos aqui a tentar confundir duas situações que não têm nada a ver uma com a outra”, sustentou, acrescentando que, do seu ponto de vista, “no quadro legal da Madeira” Rui Barreto “não era obrigado” e, mesmo no quadro nacional, tenho as suas “dúvidas” de que o seria. Outro assunto comentado pelo chefe do Executivo madeirense foi  a retoma da economia e da atividade turística.  Otimista em relação a este verão e início do próximo outono, Miguel Albuquerque disse que tem esperança que a melhoria da situação sanitária na Europa, sobretudo no Reino Unido e Alemanha, beneficie a Madeira. “Isso melhoraria logo o panorama atual”, declarou.   Bombeiros ganham nova viatura Os Bombeiros Voluntários de Câmara de Lobos receberam ontem uma nova viatura para resgate em montanha. Um investimento da autarquia local, cofinanciado pelo PRODERAM, que rondou os 100 mil euros. Acerca desta nova aquisição, o presidente do Governo Regional congratulou-se na ocasião com o facto de todas as corporações de bombeiros da Região já estarem dotadas dos equipamentos necessários para o cumprimento da sua missão. À população de Câmara de Lobos deixou o seu agradecimento pelo civismo demonstrado no cumprimento das medidas sanitárias em curso, lembrando, no entanto, que a pandemia ainda não acabou e “há caminho a percorrer”. Reconheceu que “o percurso que temos feito neste último ano tem sido difícil e exige coragem, determinação, firmeza e sobretudo solidariedade e sacrifício de todos nós”, lembrando que “não há solução para nenhuma crise, muito menos pandémica, que não resulte da concertação e do entendimento entre as autoridades públicas e a população”.