África do Sul com 24 óbitos e 2003 infetados por covid-19

Zweli Mkize, Ministro da Saúde da África do Sul, anunciou esta tarde em Durban, que foram confirmados até agora 2003 casos de infeções e que o número de óbitos subiu para 24, sendo o total de 73.028 pessoas testadas até ao presente. Mklhezi salientou que estes dados são referentes à meia-noite de ontem.  O ministro disse acreditar que incorporou  o país  numa melhor posição de  vantagem para reverter a tendência de alastramento do contágio , foi o “ lockdown”, implementado atempadamente a par  outras medidas  orientadas ao combate do coronavírus. Presos em vários estabelecimentos prisionnais, de acordo com  Ronald  Lamola, Ministro da Justiça,  estão difundindo “ fake news”  na esperança de serem libertados. Lamola visitou, hoje, a maior prisão  no país, Johannesburg  Prison, para observar “ in loco”  se o cumprimento das regras do         “ lockdown” estão  sendo observadas em  conformidade com as mesmas. O JM apurou que o ministro da saúde  ordenou uma investigação a alegações de incumprimento ao Netcare Saint Augustine Hospital, Duban, Kwazulu-Natal onde  66 pessoas foram testadas positivas  das quais 48  são pessoal de enfermagem. A investigação visa  apurar porque e como  um número elevado de de pessoas foi infetado num único lugar, particularmente pessoal de  enfermagem. Pelo facto de estarem no terreno 10 mil pessoas com a missão de testar, rastrear e triagem está patente uma resistência causada por “fake news”, mas, torna-se crucial esta monotorização e vigilância  em funcionamento no sistema de saúde pública que permite  avaliar  a eficiência, controlo, prevenção e de como estão  e onde estão sendo aplicadas. Em Port Elizabeth na provincia do Cabo Oriental , uma enfermeira reformada  de 66 anos, faleceu no Livingstone Hospital, após ter estado em coma durante uma semana, passou a ser a primeira fatalidade do coronavírus, disse o ministro provincial  Sindiswa Gomba. É sabido que a defunta  esteve  presente num funeral  em KwaDwesi há duas semanas e esteve entre pessoas  que desde então foram testadas  e os resultados foram positivos. A África do Sul cruzou hoje o meio termo dos 21 dias de “ lockdown”, e o carregamento de casos, afigura-se  controlável,  mesmo existindo um aumento no número de infeções diariamente, concluiu o ministro da sáude sul africano. Varias pessoas da Comunidade madeirense dizem-se satisfeitas relativamente à governação de Ramaphosa apesar de serem medidas duras de observar, mas concordam com a medidas agora em vigor e estão de  acordo de que não é uma decisão tomada de ânimo leve.

África do Sul com 24 óbitos e 2003 infetados por covid-19
Zweli Mkize, Ministro da Saúde da África do Sul, anunciou esta tarde em Durban, que foram confirmados até agora 2003 casos de infeções e que o número de óbitos subiu para 24, sendo o total de 73.028 pessoas testadas até ao presente. Mklhezi salientou que estes dados são referentes à meia-noite de ontem.  O ministro disse acreditar que incorporou  o país  numa melhor posição de  vantagem para reverter a tendência de alastramento do contágio , foi o “ lockdown”, implementado atempadamente a par  outras medidas  orientadas ao combate do coronavírus. Presos em vários estabelecimentos prisionnais, de acordo com  Ronald  Lamola, Ministro da Justiça,  estão difundindo “ fake news”  na esperança de serem libertados. Lamola visitou, hoje, a maior prisão  no país, Johannesburg  Prison, para observar “ in loco”  se o cumprimento das regras do         “ lockdown” estão  sendo observadas em  conformidade com as mesmas. O JM apurou que o ministro da saúde  ordenou uma investigação a alegações de incumprimento ao Netcare Saint Augustine Hospital, Duban, Kwazulu-Natal onde  66 pessoas foram testadas positivas  das quais 48  são pessoal de enfermagem. A investigação visa  apurar porque e como  um número elevado de de pessoas foi infetado num único lugar, particularmente pessoal de  enfermagem. Pelo facto de estarem no terreno 10 mil pessoas com a missão de testar, rastrear e triagem está patente uma resistência causada por “fake news”, mas, torna-se crucial esta monotorização e vigilância  em funcionamento no sistema de saúde pública que permite  avaliar  a eficiência, controlo, prevenção e de como estão  e onde estão sendo aplicadas. Em Port Elizabeth na provincia do Cabo Oriental , uma enfermeira reformada  de 66 anos, faleceu no Livingstone Hospital, após ter estado em coma durante uma semana, passou a ser a primeira fatalidade do coronavírus, disse o ministro provincial  Sindiswa Gomba. É sabido que a defunta  esteve  presente num funeral  em KwaDwesi há duas semanas e esteve entre pessoas  que desde então foram testadas  e os resultados foram positivos. A África do Sul cruzou hoje o meio termo dos 21 dias de “ lockdown”, e o carregamento de casos, afigura-se  controlável,  mesmo existindo um aumento no número de infeções diariamente, concluiu o ministro da sáude sul africano. Varias pessoas da Comunidade madeirense dizem-se satisfeitas relativamente à governação de Ramaphosa apesar de serem medidas duras de observar, mas concordam com a medidas agora em vigor e estão de  acordo de que não é uma decisão tomada de ânimo leve.